Jornalista que corrigiu Marcos Rogério é demitida da TV Senado

Na CPI, o senador bolsonarista tentou equiparar Drauzio Varella com Jair Bolsonaro


Em 22 de junho, quando o senador Marcos Rogério (DEM-RO), da tropa de choque bolsonarista na CPI do Genocídio, descontextualizou um vídeo do médico Drauzio Varella, a TV Senado exibiu uma legenda dizendo que a gravação era antiga. Essa decisão, condizente com os fatos, acarretou na demissão de uma jornalista.

Segundo reportagem da jornalista Amanda Audi, no The Brazilian Report, a seguinte legenda provocou a demissão de uma profissional de comunicação: “Senador Marcos Rogério mostra vídeo de um ano atrás, já retratado pelo dr. Drauzio Varella”.

A coordenadora da TV Senado em Brasília justificou a decisão alegando que a emissora não é “uma agência de verificação de fatos”.

A exibição do vídeo gerou embates na CPI. Senadores de oposição enfatizaram que o médico havia mudado de postura poucas semanas depois do vídeo, de janeiro de 2020. Rogério tentou equiparar a posição de Dráuzio, que se retratou sobre o episódio e buscou inúmeras vezes alertar para a gravidade da doença. com a do presidente Jair Bolsonaro, um negacionista convicto.

Sobre o episódio, Amanda Audi destaca: “Criadas para aumentar a transparência em relação ao trabalho do Congresso e do governo, as TVs públicas no Brasil têm falhado no combate à desinformação. Os repórteres são desencorajados de histórias que poderiam pintar o governo de uma forma negativa”.