DIÁRIO DO BOLSO | Mulheres negras no Rio, Paulo Freire em São Paulo. Que carnavalhacação!

Odiei o resultado do desfile do Rio de Janeiro, odiei o resultado do desfile de São Paulo. E agora vou pro zap organizar o meu desfile do dia 15


Odiei o resultado do desfile do Rio de Janeiro. Essa Viradouro aí parece que falou de umas baianas que lavam roupa. Pelamordedeus, não tinha assunto melhor? Podiam falar, sei lá, de um capitão do exército que acabou mandando em todos os generais. Isso sim!

Pra falar a verdade, eu não gosto nem do nome dessa Viradouro. Essa história de virar não é comigo, pô! Pra piorar, os dois caras que são os carnavalescos da escola tão casados há quatro anos. Ah, eu vou acabar com isso! Depois que for aclamado rei, esse negócio de luta de espada vai ser proibido, talkei?

Do segundo colocado eu também não gostei. A Grande Rio falou de um pai de santo gay. Pô, por que não falou de um deputado do baixo clero que chegou a presidente? É um assunto muito melhor! Depois do golpe, eu vou colocar a igreja evangélica como religião oficial e aí ninguém mais vai falar de pai de santo, mãe de santo, tio de santo, chega dessa macumbância!

Pra completar a bagunça, a terceira colocada falou sobre a Elza Soares, uma comunossambista de carteirinha. Não podia ter falado de…, sei lá, de mim?!

O pior é que a São Clemente, escola daquele tal de Adnet, que tirou sarro de mim fazendo fakexão, não caiu. Vou reclamar com o Moro. Juiz bom tem que controlar tudo quanto é jurado, pô.
Poder do saber, pô!?

O carnaval de São Paulo não podia ter sido vencido por uma escola que homenageou aquele tal de Paulo Freire. Aí é implicância demais contra mim!

Pra piorar, o enredo ainda se chama “O poder do saber”. Pô, que bobagem! Saber não tem poder nenhum. Põe cara a cara dois homens, um com um revólver e outro com um livro. Quem é que vai ganhar? O da arma, é claro. Livro só mata barata!

O Weintraub também ficou muito bravo. Até me mandou um e-mail falando assim:

“Prezidente, eu confeço que já não gosto de hescola de sanba porque se chama hescola. Não podia se chamar Quartel do Samba? Claro que podia! E aposto que essa vitoria da Háguia de Ouro foi armassão da isquerda. Esses paulofreiristas estão espaliados por tudo quanto é canto. Como eu já dice antes, ele é um ‘vodu sem comprovassão sientífica’. É um ‘henergúmeno’, como o senhor falou. Mas fique tramquilo, prezidente. No ano que vem uma hescola vai omenajear o Holavo de Caralio, digo, Carvalio, e sertamente vai venser o carnaval. Faremos um desfile de paralizar a avenida! Um abrasso, A.W.”

Depois de ler isso, eu fiquei mais tranquilo. O Weintraub tem uma capacidade imprecionante.

E agora chega de falar de carnaval, Diário. Eu preciso mandar uns zaps para organizar o desfile do dia 15. Agora é a vez da minha escola ir pra avenida. As cores são o verde e amarelo. E o samba-enredo é “Abaixo o Congresso! Chega de STF! Bolso para ditadô, esquindô, esquindô”.

.

Pages