Tecnologia do Blogger.

Featured Post

FINALIZADA MESA DE NEGOCIAÇÃO: GOVERNADOR RECEBERÁ APEOC E DEFINIRÁ PENDÊNCIAS SEGUNDA-FEIRA

Após um dia inteiro de negociação, a diretoria do Sindicato APEOC, reunida na sexta-feira (28), com a vice-governadora, Izolda Cela, ...

APEOC

Postagens Populares

Sample Text

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation test link ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate another link velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur.

Arquivo do blog

Categories

Definition List

Definition list
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.
Lorem ipsum dolor sit amet
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Pages

Support

Need our help to upload or customize this blogger template? Contact me with details about the theme customization you need.

Ordered List

  1. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  2. Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  3. Vestibulum auctor dapibus neque.

Unordered List

  • Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  • Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  • Vestibulum auctor dapibus neque.

Pesquisar este blog

Pacatuba Em Foco

Ads 468x60px

Followers

Pacatuba Em Foco - A Melhor Calçada Virtual

quinta-feira, 23 de janeiro de 2020

Xadrez da Lava Jato e a corrupção em Angola. Capítulo 2 – a demora em pegar a Trafigura

Essa demora foi suficiente para afastar a Petrobras da exploração do petróleo em Angola, deixando o campo livre para a Trafigura, pelo menos até a queda do presidente Santos.



Em sua delação, Paulo Roberto Costa admite que recebeu mais de US$ 800 mil de Marcondes Ferraz. Informa que Marcondes Ferraz o procurou em nome da Trafigura, pagando inicialmente US$ US$ 600 mil em propinas através de uma conta em nome da off-shore OST Invest & Finance Inc., em um banco em Genebra, Suíça.


Segundo Cerveró, Glencor e Trafigura tinham esquemas junto à Diretoria de Comercialização da Petrobras. Explicou que havia negocociações diárias em volumes muito grandes nos quais centavos de diferença nas negociações diárias podiam render milhões no final do mês. Disse conhecer Mariano Marcondes Ferraz, e que ele atuava como operador de trading.

22.02.2016 – delação de Delcídio do Amaral aumenta suspeitas sobre Trafigura

Na página 80 da delação de Delcídio do Amaral, se lê:

DELCIDIO DO AMARAL tem conhecimento que uma das áreas mais cobiçadas da PETROBRAS e a de Abastecimento, principalmente, em razão da comercialização de petróleo no exterior, na medida em que são comercializados 300.000 barris diários de petróleo leve, em números atuais, isso representaria em media quase US$ 10 milhões por dia.

DELCIDIO sabe que as operações financeiras são todas feitas em Londres através de “brokers”, tal modo de comercialização permite que pequenas variações no preço do petróleo representem altos ganhos aos seus principais operadores, dando azo a um terreno fértil para várias ilicitudes, vez que os preços podem ser alterados artificialmente.

26.10.2016 – despacho de Sérgio Moro, autorizando a prisão preventiva de Mariano Marcondes Ferraz.

No despacho, a Trafigura era diretamente implicada na corrupção da Petrobras.


Diz o despacho: “Envolve o pagamento de propinas pelo Grupo Trafigura ou pela DECAL do Brasil, por intermédio de Mariano Marcondes Ferraz, ao então Diretor de Abastecimento da Petrobrás, Paulo Roberto Costa, em decorrência de contratos com a estatal brasileira”.

Mariano Marcondes Ferraz, de nacionalidade brasileira, é um dos diretores executivos do Grupo Trafigura.


Em sua delação, Paulo Roberto Costa admite que recebeu mais de US$ 800 mil de Marcondes Ferraz. Informa que Marcondes Ferraz o procurou em nome da Trafigura, pagando inicialmente US$ US$ 600 mil em propinas através de uma conta em nome da off-shore OST Invest & Finance Inc., em um banco em Genebra, Suíça.


Segundo Cerveró, Glencor e Trafigura tinham esquemas junto à Diretoria de Comercialização da Petrobras. Explicou que havia negocociações diárias em volumes muito grandes nos quais centavos de diferença nas negociações diárias podiam render milhões no final do mês. Disse conhecer Mariano Marcondes Ferraz, e que ele atuava como operador de trading.

22.02.2016 – delação de Delcídio do Amaral aumenta suspeitas sobre Trafigura

Na página 80 da delação de Delcídio do Amaral, se lê:

DELCIDIO DO AMARAL tem conhecimento que uma das áreas mais cobiçadas da PETROBRAS e a de Abastecimento, principalmente, em razão da comercialização de petróleo no exterior, na medida em que são comercializados 300.000 barris diários de petróleo leve, em números atuais, isso representaria em media quase US$ 10 milhões por dia.

DELCIDIO sabe que as operações financeiras são todas feitas em Londres através de “brokers”, tal modo de comercialização permite que pequenas variações no preço do petróleo representem altos ganhos aos seus principais operadores, dando azo a um terreno fértil para várias ilicitudes, vez que os preços podem ser alterados artificialmente.

26.10.2016 – despacho de Sérgio Moro, autorizando a prisão preventiva de Mariano Marcondes Ferraz.

No despacho, a Trafigura era diretamente implicada na corrupção da Petrobras.


Diz o despacho: “Envolve o pagamento de propinas pelo Grupo Trafigura ou pela DECAL do Brasil, por intermédio de Mariano Marcondes Ferraz, ao então Diretor de Abastecimento da Petrobrás, Paulo Roberto Costa, em decorrência de contratos com a estatal brasileira”.

Mariano Marcondes Ferraz, de nacionalidade brasileira, é um dos diretores executivos do Grupo Trafigura.

24.02.2018 – ONGs inglesas, contra a corrupção, começam a investigar a Trafigura na Lava Jato

Conforme reportagem do GGN, “esta semana fui procurado por um jornalista inglês que veio ao Brasil com uma missão especial: investigar os motivos que levaram a Lava Jato a ignorar as operações da área internacional da Petrobras, poupando das investigações dois dos mais notórios corruptores corporativos do planeta: a Trafigura e a Glencore, tradings de comercialização de petróleo que negociam com a Petrobras.

É um trabalho ao qual dedicará seis meses. Já teve acesso a documentos internos da Petrobras, nos quais se vê Jorge Zelada, ex-diretor da área internacional defendendo propostas da Trafigura, e o presidente José Gabrielli e Almir Barbassa negando.

Não apenas isso.

Sabia-se desde sempre que a área de comercialização de petróleo e derivados é aquela onde corre mais dinheiro.


  • Uma subsidiária da Glencore pagou pelo menos US $ 2,1 milhões a uma equipe de pai e filho de supostos suborno. A Glencore diz que contratou o par como corretores legítimos e nega impropriedade. Mas um relatório financeiro preparado para um dos principais diretores da Petrobras lista milhares de dólares devidos como pagamento de suborno de um acordo “Trading Glencore”, supostamente pago pelos fixadores.
  • Trafigura é objeto de uma investigação policial atual no Brasil, disse a Petrobras à Global Witness. Trafigura e a Polícia Federal do Brasil se recusaram a comentar.
  • Duas das figuras mais centrais do escândalo da lavagem de carros – incluindo o “Diácono de Suborno” do Brasil – trocaram mensagens sobre como distribuir pagamentos de suborno de um acordo de petróleo Trafigura de US $ 2 bilhões proposto, mostram documentos judiciais. A Trafigura admite ter proposto o abortado acordo de petróleo à Petrobras, mas disse que não “reteve” o diácono, cumprindo agora uma sentença de suborno de 13 anos.
14.12.2018 – finalmente, a Lava Jato denuncia executivos da Trafigura

Sérgio Moro já tinha abandonado a Lava Jato para se tornar Ministro de Bolsonaro. A denúncia foi contra Mariano Marcondes Ferraz e Marcio Pinto de Magalhães, ex-executivos do grupo Trafigura, o operador financeiro Carlos Henrique Nogueira Herz e Marcus Antonio Pacheco Alcoforado, ex-gerente de Comércio Externo de Óleos Combustíveis da Petrobras. Foram acusados de envolvimento em esquema de corrupção e lavagem de ativos em 31 operações de trading de óleo combustível entre a empresa internacional e a estatal petrolífera.

21.11.2019 – a pedido da Lava Jato, o Ministério Público da Suiça faz busca e apreensão nos escritórios da Trafgura e da Vitol.

De acordo com o procurador de Curitiba Athayde Ribeiro Costa, “as principais revelações na Lava Jato até o momento eram voltadas a crimes relacionados à construção de refinarias, área-meio da Petrobras. Agora, as investigações indicam que esquemas de corrupção de valores milionários também se instalaram nos negócios relativos à área-fim da estatal, compreendendo atividades rotineiras, como a comercialização de petróleo e derivados.” Essa demora foi suficiente para afastar a Petrobras da exploração do petróleo em Angola, deixando o campo livre para a Trafigura, pelo menos até a queda do presidente Santos.

Segundo a assessoria do MP brasileiro, a “Vitol e Trafigura realizam transações de modo maciço e recorrente com a estatal brasileira no mercado internacional. A Vitol, entre 2004 e 2015, fez negócios com a Petrobras, sobretudo operações de compra e venda de petróleo e derivados, em valor total superior a US$ 14 bilhões. Por sua vez, a Trafigura, no mesmo período, realizou negócios com a Petrobras, em valor superior a US$ 9 bilhões, também com foco em operações de compra e venda de petróleo e derivados.”

←  Anterior Proxima  → Inicio

Pacatuba Em Foco

RádiosNet

Mais Acessadas

Total de Transeuntes

Votar ao Topo