Tecnologia do Blogger.

Featured Post

Diário do Bolso | ... foi outro 7 a 1. Igualzinho à seleção do Felipão.

Diário, foi outro 7 a 1. É, levei uma goleada esses dias. Igualzinho à seleção do Felipão. Olha só: 0 x 1 O Ricardo Salles, do Me...

APEOC

Postagens Populares

Sample Text

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation test link ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate another link velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur.

Arquivo do blog

Categories

Definition List

Definition list
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.
Lorem ipsum dolor sit amet
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Pages

Support

Need our help to upload or customize this blogger template? Contact me with details about the theme customization you need.

Ordered List

  1. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  2. Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  3. Vestibulum auctor dapibus neque.

Unordered List

  • Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  • Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  • Vestibulum auctor dapibus neque.

Pesquisar este blog

Pacatuba Em Foco

Ads 468x60px

Followers

Pacatuba Em Foco - A Melhor Calçada Virtual

sexta-feira, 2 de agosto de 2019

Diretor do Inpe se recusa a mentir sobre desmatamento e é demitido


Por não ser picareta, diretor do Inpe é demitido pelo presidente Jair Bolsonaro. Ricardo Galvão foi exonerado porque se recusou a mentir sobre desmatamento

Ricardo Magnus Osório Galvão, diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), foi demitido do cargo nesta sexta-feira (2) pelo ministro Marcos Pontes, a mando do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Ricardo foi exonerado por simplesmente realizar o seu trabalho. Ele se recusou a mentir sobre o avanço do desmatamento no Brasil sob a gestão Bolsonaro.

O diretor tinha um mandato de quatro anos, mas o regimento prevê que ele pode ser substituído “em uma situação de perda de confiança”.

O órgão que Galvão comandava foi acusado pelo presidente Jair Bolsonaro de mentir sobre os dados do desmatamento e agir a “serviço de alguma ONG”. Galvão rebateu as acusações e criticou falas e comportamento de Bolsonaro.

“Naturalmente, o embate que eu tive com o presidente tornou impossível para o ministro Marcos Pontes [Ciência e Tecnologia] me manter no cargo. Ele disse que tentou manter esforços e inclusive assumiu o compromisso de manter a linha de trabalho e colocar mais recursos”, revelou Galvão.

O diretor recebeu a notícia da própria exoneração em reunião na manhã desta sexta-feira (2). No início da tarde, Pontes elogiou Galvão. “Agradeço, pela dedicação e empenho do Ricardo Galvão à frente do Inpe. Tenho certeza que sua dedicação deixa um grande legado para a instituição e para o país”, escreveu o ministro em uma rede social.

Mais cedo, no pronunciamento em que anunciou sua própria demissão, Ricardo Galvão afirmou que não teve de “defender” os dados sobre desmatamento para o ministro.

“Frente ao ministro Pontes, eu não tive que defender nada. Ele concorda inteiramente com os dados do Inpe e sabe como são os dados do Inpe. O ministro é uma pessoa de alta capacidade técnica, um engenheiro”, disse Galvão.

Brasil corre riscos

Entidades que atuam na área ambiental vieram a público na tarde de hoje para lamentar a exoneração de Ricardo Galvão. “A exoneração de Ricardo Galvão é lamentável, mas era esperada”, afirmou Carlos Rittl, secretário-executivo do Observatório do Clima (OC). “Ele selou seu destino ao não se calar diante das acusações atrozes de Jair Bolsonaro ao Inpe.”

“Ao reagir, Galvão também preservou a transparência dos dados de desmatamento, ao chamar a atenção da sociedade brasileira e da comunidade internacional para os ataques sórdidos, autoritários e mentirosos de Bolsonaro e Ricardo Salles à ciência do Inpe”, continuou o secretário do OC.

Ainda segundo Rittl, “a imagem do Brasil já está irremediavelmente comprometida por essa cruzada contra os fatos. Nos próximos meses, Bolsonaro e seu ministro do Ambiente descobrirão, do pior jeito, que não adianta matar o mensageiro, nem aparelhar o Inpe: a única maneira de evitar más notícias sobre o desmatamento é combatê-lo.”

Rogério Egewarth, diretor-financeiro da Associação Nacional de Servidores Ambientais (Ascema), afirmou que a exoneração é mais um episódio de “uma situação de desmanche e desqualificação das instituições que historicamente têm um papel importante dentro do estado brasileiro”.

Segundo ele, “são instituições técnicas que estão sendo desqualificadas por achismos ou mecanismos que simplesmente vão contra a lógica do Estado fazer o papel dele de forma correta e transparente, baseados em princípios legais”.

Egewarth ressaltou, ainda, que as críticas atuais do governo federal ao trabalho dos órgãos técnicos são uma forma de desviar a atenção pública para a consequência de manifestações do presidente Jair Bolsonaro desde sua eleição, como o anúncio de que ele iria acabar com a “festa” de multas do Ibama.

Para o diretor da Ascema, essas falas estimularam o aumento de crimes ambientais como o desmatamento, e a consequência deve atingir os empresários do agronegócio que atuam de maneira legal, mas devem ser prejudicados pela retaliação do mercado internacional.

“Estão querendo desviar o foco não só da sociedade, mas também do agronegócio, e jogar a responsabilidade em cima dos técnicos, como se a gente tivesse o direito de mentir sobre informações que historicamente foram públicas”, disse ele. “[Os outros países] vão taxar o produto e [o Brasil] vai perder competitividade. Quem vai pagar a conta é o agronegócio, que não tem nada a ver com o desmatamento.”

Demitido por ser competente

“O diretor do Inpe não foi demitido por incompetência. Está sendo demitido por sua extrema competência, altivez e por dirigir uma instituição de Estado que prima pelo interesse público e não se acovardou diante das ameaças da tríade (Ricardo Salles, General Augusto Heleno e Bolsonaro), que se levantou para intimidar e desmoralizar a instituição”, disse a ex-presidenciável Marina Silva (Rede).

“Tentaram sem êxito desacreditar o seríssimo trabalho de monitoramento do desmatamento da Amazônia feito pelo Inpe há mais de 30 anos e que virou a maior referência internacional no assunto. Sem conseguir apresentar nenhuma evidência técnica e nem científica, ficaram com frases toscar e vazias, eivadas de mentiras e preconceitos. Bolsonaro tenta destruir uma instituição de 50 anos de existência, tentando impor a lei da mordaça e do autoritarismo”, concluiu Marina.

Aumento do desmatamento

Os alertas do desmatamento no Brasil registraram alta de 88% em junho e de 212% em julho, segundo análise feita com base em dados do públicos do Inpe, que foram compilados pelo sistema conhecido como Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter). Os percentuais levam em conta a comparação de junho e julho com os mesmos meses do ano passado.


←  Anterior Proxima  → Inicio

Pacatuba Em Foco

Ouça-nos !

Agenda de Jogos da Semana


Campeonato Brasileiro A
Quarta-Feira, 04, 19h30
Ceará x Corinthians - Castelão

Campeonato Brasileiro A
Domingo, 08, 16h00
Fortaleza x Bahia - Castelão

Mais Acessadas

Total de Transeuntes

Votar ao Topo