Tecnologia do Blogger.

Featured Post

Dodge diz que só Flávio Bolsonaro deve ser blindado

A Procuradora-Geral da República afirma que a decisão de Toffoli não poderia abranger todas investigações abrangendo o COAF no país, apenas...

APEOC

Postagens Populares

Sample Text

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation test link ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate another link velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur.

Arquivo do blog

Categories

Definition List

Definition list
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.
Lorem ipsum dolor sit amet
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Pages

Support

Need our help to upload or customize this blogger template? Contact me with details about the theme customization you need.

Ordered List

  1. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  2. Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  3. Vestibulum auctor dapibus neque.

Unordered List

  • Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  • Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  • Vestibulum auctor dapibus neque.

Pesquisar este blog

Pacatuba Em Foco

Pacatuba Em Foco - A Melhor Calçada Virtual

TORNAR-SE NEGRA, INTELECTUAL E ATIVISTA: PERCURSOS DE LÉLIA GONZALEZ

Lembrar a memória e a história de luta desta destemida mulher negra é necessário sobretudo para que sua imagem e exemplo sirvam de inspiração para a juventude brasileira.


Flavia Rios e Alex Ratts, autores da biografia de Lélia Gonzalez, publicada pela Selo Negro/Summus, em 2010, nos trazem essa importante contribuição no artigo abaixo.


Em tempos de intensos protestos e mobilização por todo o país, é necessário trazer à tona a referência de uma grande personagem, que esteve no furacão das lutas pela democratização do Brasil. Intelectual, feminista e militante do movimento negro brasileiro, Lélia Gonzalez (1935-1994) nos legou vários dos temas que ainda agitam as reivindicações políticas brasileiras e levam milhares de pessoas às ruas.

Lélia de Almeida nasceu em primeiro de fevereiro de 1935 em Belo Horizonte e ainda criança migrou com a extensa família para o Rio de Janeiro, então capital do país, sob a proteção financeira do irmão mais velho, Jorge, jogador do time do Flamengo. Fez duas graduações na Universidade da Guanabara e tornou-se professora secundária, posteriormente seguiu a carreira docente, ocupando cadeiras em importantes estabelecimentos de ensino superior fluminenses, a exemplo da PUC/Rio e UERJ.

Como estudante e professora experimentou ascensão social via formas expressas de embranquecimento: realizou um casamento inter-racial, do qual vem o sobrenome Gonzalez; na escola aprendeu os gostos das classes médias e seu estilo de vida; fez amigos no seio do estrato médio carioca e adotou sua forma de viver, como o gosto pela bossa nova, a preferência por roupas e cortes de cabelo à moda “dos anos dourados”, incluindo o alisamento capilar e o uso de perucas. Era uma forte candidata ao ingresso no “mundo dos brancos” – parafraseando Florestan Fernandes.

Defrontada com a recusa e a rejeição ao seu matrimônio, sua experiência pessoal com o preconceito e a discriminação e a aproximação com a militância negra que se reorganizava no Rio de Janeiro pode ser entendida como parte das motivações que a levaram a ingressar na luta política. Em que pesem essas dimensões subjetivas para o seu engajamento político, o pensamento da autora é devedor, sobretudo, da rede de movimentos sociais em que se engajou em meados dos anos de 1970, época em que Lélia Gonzalez iniciou seus primeiros escritos. Ao lado de Abdias Nascimento e em paralelo com Beatriz Nascimento dentre outros(as) intelectuais ativistas negros(as), Lélia Gonzalez teve uma atuação nacional e internacional passando por países africanos, europeus e pelos Estados Unidos.

O racismo foi, pois, uma experiência que a enegreceu, ou, como ela gostava de dizer acerca das relações raciais em seu país natal: não se nasce negro, torna-se: “a gente nasce preta, mulata, parda, marrom, roxinha dentre outras, mas tornar-se negra é uma conquista”. Ao parafrasear Simone de Beauvoir, antes recriada por Neuza Santos Sousa no livro “Tornar-se negro”, Gonzalez a um só tempo nos propõe uma versão não essencialista da raça − mostrando a possibilidade de reclassificação social − e revela a dificuldade de se tornar e ser negro(a) num país que apregoa a democracia racial, ao mesmo tempo em que propaga o branqueamento social e estabelece lugares sociais segregados com base em atributos adscritos por cor, sexo e condição de classe.

Seu trabalho intelectual foi marcado pela produção sobre a mulher negra, no qual conseguia explorar os significados sociais, ocupacionais e culturais relativos à naturalização das relações entre classe, raça, gênero e espaço. Por outro lado, Gonzalez não se cansou de denunciar as experiências diferenciadas de racismo por gênero e apontou a discriminação vivenciada pelos homens negros, apreendidos por lógicas de controle e dominação social, que envolvem desde violenta repressão policial até o extermínio físico.

Foi justamente essa postura de desnaturalização que tornou seu discurso e suas práticas irreverentes até mesmo para os círculos políticos mais progressistas que frequentava, especialmente a imprensa alternativa, os movimentos feminista, negro, de mulheres negras e homossexual. Nesse sentido, a trajetória e pensamento de Lélia Gonzalez têm muito a dizer sobre a perspectiva contra-hegemônica que ajudou a construir no Brasil.

* Alex Ratts, antropólogo, e Flavia Rios, socióloga, escreveram a biografia de Lélia Gonzalez, publicada pela Selo Negro/Summus, em 2010.

O livro “Lélia Gonzalez” pode ser encontrado no site da livraria cultura e de outras grandes livrarias, Há também em e-books, em livrarias como a Kitabo, no RJ e em sebos virtuais.



←  Anterior Proxima  → Inicio

Pacatuba Em Foco

Ouça-nos !

Agenda de Jogos da Semana

Quinta-Feira, 25, 20h00
Ferroviário x Sampaio Corrêa - Castelão

Sábado, 27, 09h30
Ceará x Fortaleza - PV

Domingo, 28, 19h00
Fortaleza x Corinthians - Castelão


Mais Acessadas

Total de Transeuntes

Votar ao Topo