Ministro usou falsas candidaturas para desviar verba

Segundo a 'Folha', o ministro do Turismo Marcelo Álvaro Antônio (PSL) usou quatro candidaturas falsas para desviar verba do fundo eleitoral em 2018

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio (PSL), usou quatro candidaturas falsas nas eleições de 2018 para desviar recursos do fundo partidário. A denúncia foi feita em uma reportagem do jornal Folha de S. Paulo.

O jornal investigou as candidaturas de quatro mulheres que receberam R$ 279 mil do PSL. Elas receberam a verba após indicação do PSL de Minas, na época presidido por Álvaro Antônio, então deputado federal pelo estado. A verba representa o percentual mínimo de 30% exigido pela Justiça Eleitoral para destinação do fundo eleitoral para candidatura de mulheres.

No entanto, chama atenção a discrepância entre a alta soma recebida e o irrelevante desempenho do pleito. Embora estejam entre os 20 candidatos do PSL que mais receberam verba pública, as quatro candidatas, juntas, somaram pouco mais de 2 mil votos. Segundo a reportagem tal fato indica uma candidatura de fachada, quando há simulação de votos reais, mas não empenho efetivo do candidato.

De acordo com a Folha, pelo menos R$ 85 mil, dos R$ 279 mil repassados pelo partido, foram parar em contas de quatro empresas de assessores, parentes ou sócios de assessores de Marcelo Álvaro Antônio.

Entre as “candidatas-laranja” está Lilian Bernardino, candidata a deputada estadual em Governador Valadares. Lilian recebeu R$ 65 mil do PSL e declarou ter gasto todo o valor. Ela obteve 196 votos. Logo após receber a verba do partido, ela repassou boa parte do valor a quatro empresas que têm elos com Álvaro Antônio. Foram destinados R$ 14,9 mil a duas empresas de comunicação de Reginaldo Soares, irmão de Roberto Silva Soares, conhecido como Robertinho Soares, ex-assessor e coordenador de campanha de Álvaro Antônio, que comanda o PSL em Ipatinga. Outros R$ 10 mil foram repassados a uma gráfica da sócia de Reginaldo. A reportagem também cita movimentações similares nas candidaturas de Mila Fernandes, Débora Gomes e Naftali Tamar.

Procurado, o atual ministro do Turismo não respondeu aos questionamentos do jornal, limitando-se a dizer que “fazer ilações sobre o valor gasto por qualquer candidato e a quantidade de votos que o mesmo conquistou é, no mínimo, subestimar a democracia e o poder de análise dos eleitores”.

Álvaro Antônio se filou ao PSL no início de 2018, na esteira da onda de filiações capitaneada pelo atual presidente Jair Bolsonaro (PSL), de quem o ministro foi coordenador de campanha em Minas. Na época, Álvaro Antônio divulgou um vídeo nas redes sociais, no qual aparecia ao lado de Bolsonaro e de Robertinho Soares. No vídeo, Bolsonaro, ainda pré-candidato à presidência da República, pedia aos eleitores para que se filiassem ao PSL de Minas para disputar as eleições daquele ano.

.

Pages