Lua surgiu de colisão gigante com a Terra, dizem cientistas

PARIS (AFP) – Uma peculiaridade química encontrada no solo lunar revive uma teoria levantada há 37 anos: de que a Lua surgiu de uma colisão apocalíptica entre a Terra e uma gigantesca rocha espacial. Isso é o que afirmam cientistas em um artigo publicado na edição desta quarta-feira 17 da revista científicaNature.

Em 1975, astrônomos propuseram, durante uma conferência, que bilhões de anos atrás nosso satélite natural teria sido criado após um choque entre a Terra infantil e um corpo celeste do tamanho de Marte denominado Theia, que na mitologia grega é a mãe da Lua, ou Selena.

Segundo essa teoria, a colisão derreteu e evaporou Theia e grande parte da nascente crosta terrestre, e o vapor se condensou para formar a Lua.

Isto explicaria porque a Lua é tão grande – tem cerca de um quarto do tamanho da Terra e é o quinto maior satélite no nosso Sistema Solar – e está tão perto de nós.

Por anos, a “Teoria do Impacto Gigante” foi marginalizada até que simulações de computador demonstraram que poderia ser real.

Analisando preciosos grãos de solo lunar trazidos pelas missões Apollo, os cientistas afirmam ter encontrado uma evidência química para validar este conceito. Esta evidência consiste em um pequeno excesso em um isótopo mais pesado, ou uma variante atômica, do elemento zinco.

Este excesso teria ocorrido porque átomos do zinco mais pesado teriam se condensado rapidamente na nuvem de vapor, ao invés daqueles mais leves.

A minúscula, porém relevante, diferença é denominada fraccionação isotópica.

“A magnitude da fraccionação que medimos em rochas lunares é 10 vezes maior do que o visto em rochas terrestres e marcianas”, afirmou Frederic Moynier, professor assistente de Ciências da Terra e Planetárias da Universidade de Washington em St. Louis, Missouri. “É uma diferença importante”, acrescentou.

A fraccionação foi encontrada em 20 amostras de rochas lunares de quatro missões Apollo, que exploraram áreas diferentes da Lua, e de um meteorito lunar.

Elas foram comparadas com 10 meteoritos que foram identificados como tendo origem marciana, inclusive um que pertencia à coleção do Vaticano, e com rochas encontradas na Terra.

Análise feita em um espectrômetro de massa – no qual a luz de uma amostra vaporizada aponta para os elementos contidos – demonstrou que o zinco em geral se esgotou na Lua, mas deixou vestígios de isótopos mais pesados.

A evaporação do zinco em larga escala aponta para um megaevento como a colisão, ao invés da atividade vulcânica localizada, afirmam os cientistas. “É preciso um tipo de evento de derretimento indiscriminado na Lua para gerar o calor necessário para evaporar o zinco”, explicou James Day, do Instituto de Oceanografia Scripps, na Califórnia.

http://www.cartacapital.com.br/tecnologia/lua-surgiu-de-colisao-gigante-com-a-terra-dizem-cientistas/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

.

Pages