Tecnologia do Blogger.

APEOC

Postagens Populares

Sample Text

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation test link ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate another link velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur.

Arquivo do blog

Categories

Definition List

Definition list
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.
Lorem ipsum dolor sit amet
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Pages

Support

Need our help to upload or customize this blogger template? Contact me with details about the theme customization you need.

Ordered List

  1. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  2. Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  3. Vestibulum auctor dapibus neque.

Unordered List

  • Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  • Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  • Vestibulum auctor dapibus neque.

Xadrez do fator Hamilton Mourão, por Luis Nassif



Peça 1 – a onda da pacificação

É curioso como ocorrem as grandes inflexões na opinião pública. Cria-se uma onda que engole o mundo político, midiático, libera a besta das ruas, promovendo os surfistas que conseguem cavalgá-la e afogando os que são apanhados no contrapé.

Há casos em que a onda é tão forte que se torna irreversível. Foi assim com o fascismo italiano e espanhol, com o nazismo, e com os golpes militares na América Latina. Mas, na maior parte das vezes, dependendo do maior ou menor avanço institucional do país, o clima permanente de ódio cansa e as ondas refluem. Se não tem forças para completar o ciclo, e instaurar uma ditadura fascista, esvazia-se com o tempo.

Nesses grandes movimentos tectônicos, um bom governo teria enormes dificuldades para atender às expectativas criadas pelo imaginário. Mas quando a cara do governo passa a estampar cada vez mais a bocarra e a incompetência dos Bolsonaro, tem início uma nova onda, pequena no início, mas crescendo rapidamente, e que será hegemônica dentro de algum tempo: a busca de saídas para o país através da conciliação nacional.

Passado o pico do ódio, haverá um refluxo até que reste só a besta, a legião selvagem dos bolsonaristas, a 15 a 18% da população.


Av. Paulista

Três covardes, três vermes, três machos escrotos, três defensores de @jairbolsonaro e Sérgio Moro atacam selvagemente uma garota que apenas não concorda com eles.

video: Chico Prado
1.093 pessoas estão falando sobre isso
Peça 2 – a reorganização das forças hegemônicas

Na maionese bolonariana têm religiosos fundamentalistas, alucinados antiglobalistas, aventureiros empresariais. Mas, para os jogos de poder, o que conta forças políticas e econômicas. Entre elas, o antilulismo continua sendo peça central: na mídia, no mercado, no Judiciário e nas Forças Armadas. Portanto, o próximo capítulo ainda será uma tentativa de reorganização dessas forças.

As guerras políticas internas (assim como as guerras reais) têm dois tempos: o das batalhas e o da consolidação da conquista. Dos estudos de Sun Tzu, sobre a arte da guerra, aos de Montesquieu, sobre a ascensão e queda do Império Romano, há uma literatura ampla mostrando a diferença fundamental entre a postura na guerra e a postura na vitória.

Terminada a guerra, a principal preocupação dos vitoriosos é desarmar os espíritos, mostrar senso de justiça, atrair os derrotados, mantendo seus poderes sob controle, mostrar-se justo, não tentar impor seus valores e costumes sobre os adversários. E há um conjunto de lições sobre as estratégias militares. Nunca se mostre como você é: se está forte, tente se apresentar como enfraquecido; se está fraco, mostre-se forte; nunca explicite o que você pensa, implemente A dando a entender que você quer fazer B.

É interessante comparar a conduta do general Hamilton Mourão com a do governador paulista João Doria Jr.

Dória conseguiu cavalgar duas ondas. A primeira, na prefeitura de São Paulo, apresentando-se como gestor antipetista. Quando o eleitorado da capital se deu conta de que não era gestor, a onda do antilulismo estava em plena ascensão, especialmente no interior, catapultando-o ao governo do Estado. Com isso, passou a apostar desmedidamente na sua intuição. E tenta repetir, para a próxima rodada, o mesmo discurso das rodadas anteriores.

Os romanos tinham um hábito interessante contra esses deslumbramentos. Sempre que um general voltava vitorioso da guerra e fazia a caminhada da vitória pela cidade, ao seu lado ia um escravo que murmurava: “Não se esqueça que você é humano”.

Dória persiste no discurso de guerra, perpetrando mesquinharias, como impedir que o MST (Movimento Sem Terra) faça sua reunião anual (para venda de produtos orgânicos) no Parque da Água Branca, ou cortando recursos para cultura, ou estimulando a violência policial. Está pensando em chegar mais longe olhando pelo retrovisor e pretendendo disputar os 18% do eleitorado. Fosse politicamente mais inteligente, haveria uma avenida aberta à sua frente, como contraponto civilizado a Bolsonaro.

Essa avenida – da busca da conciliação, como maneira de consolidar a direita – está sendo trilhada pelo general Mourão, seguindo à risca e com inteligência os manuais de estratégias militares.

Apresenta sempre o contraponto racional contra as maluquices de Bolsonaro, impedindo as loucuras do Ministro das Relações Exteriores, corrigindo as bizarrices perante o público interno e externo. É evidente que, ao corrigir o presidente, não pretende desfazer suas tolices, mas expô-las.

Vai além, com reconhecimento da necessidade de propostas de união nacional, aproximação com diversos setores sociais, a importância da diversidade, do meio ambiente, o entendimento sobre o que é uma economia moderna etc.

É possível que tenha descoberto as virtudes da democracia e do pluralismo, é possível que apenas esteja aplicando um dos princípios da estratégia militar de não se mostrar como é. De qualquer modo, é quem está crescendo sobre os escombros do bolsonarismo.

Nos próximos meses, Mourão se tornará cada vez mais ponto de convergência de empresários, políticos e mercado, desencantados com Bolsonaro. Quando a aliança estiver madura, não será necessário conspirar, nem dar golpe de gabinete para se desfazer de Bolsonaro. Basta aguardar as conclusões de uma das investigações em curso sobre suas ligações com as milícias, e contar com o desmanche de sua base política, obra do inacreditável Onix Lorenzoni.

Parte 3 – o fator Lula

Impressiona o fato de que, sendo prisioneiro político, impedido até de dar entrevistas, Lula consegue unificar a esquerda com suas mensagens. Aliás, o fato de ter se transformado em preso político unificou a esquerda, consolidando sua liderança até sobre os partidos mais novos, que cresceram em cima do desgaste do PT e da falta de arejamento do seu alto comando.

De qualquer modo, o desafio político consiste em ampliar o leque de alianças, abarcando o centro democrático e a centro-direita. Mas o PT tem encontrado dificuldades, com Lula preso.

Tem um candidato, Fernando Haddad, com penetração junto a muito setores progressistas e empresariais anti-PT. Mas a própria manutenção da prisão política de Lula impede avanços maiores, visando a conciliação nacional.

De qualquer modo, o PT vive um paradoxo. Não pode abandonar o protagonismo, junto às esquerdas, para não perder o bonde com a redemocratização – como ocorreu com o velho PC. Por outro lado, esse protagonismo impede o avanço das negociações e dificulta a montagem de uma frente ampla democrática.

A libertação de Lula seria o grande sinal para se começar a desenhar a paz nacional. Mas o STF (Supremo Tribunal Federal) permanece acuado e sem coragem de retomar o caminho da institucionalidade.

Com tudo isso, o jogo político continuará sendo jogado entre bolsonaristas e a direita mais racional, com o prestígio crescente de Hamilton Mourão.

←  Anterior Proxima  → Inicio

FanPage do Pacatuba Em Foco

Mais Acessadas

Votar ao Topo