Tecnologia do Blogger.

APEOC

Postagens Populares

Sample Text

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation test link ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate another link velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur.

Arquivo do blog

Categories

Definition List

Definition list
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.
Lorem ipsum dolor sit amet
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Pages

Support

Need our help to upload or customize this blogger template? Contact me with details about the theme customization you need.

Ordered List

  1. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  2. Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  3. Vestibulum auctor dapibus neque.

Unordered List

  • Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  • Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  • Vestibulum auctor dapibus neque.

Audálio Dantas, mais de seis décadas dedicadas ao jornalismo

Nota divulgada, no início da noite desta quarta-feira (30), pelo Sindicato dos Jornalistas de São Paulo (SJSP) e pela Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) registrou a morte do jornalista Audálio Dantas e resgatou sua trajetória de mais de 60 anos dedicados ao jornalismo, uma carreira vasta e intensa, dentro e fora das redações.


A nota dos jornalistas, inicialmente, registra a morte de Audálio Dantas na tarde desta quarta-feira (30), na capital paulista, aos 88 anos, vítima de câncer. Em seguida comunica que o velório ocorrerá até às 10 horas desta quinta-feira (31) no Hospital Premier (Av. Jurubatuba nº 481 - Vila Cordeiro), na zona sul paulistana, e, a partir das 12 horas, no auditório Vladimir Herzog, sede do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo (Rua Rego Freitas nº 530 - Sobreloja - Vila Buarque), na região central. Informa ainda que a cremação será no Cemitério Vila Alpina e o horário da cerimônia será divulgado assim que definido pela família. 

A partir de então, a nota descreve a trajetória daquele que foi um mais importantes jornalistas brasileiros e um dos mais destacados dirigentes sindicais da categoria.

Leia a íntegra do documento:

Alagoano nascido em Tanque D'Arca, em 8 de julho de 1929, Audálio presidiu o Sindicato entre 1975 e 1978. Foi responsável não só pela retomada da direção da entidade fazendo oposição à ditadura civil-militar, como enfrentou o regime reforçando a denúncia do “suicídio” do jornalista Vladimir Herzog, forjado pelos agentes da repressão na tentativa de esconder o assassinato de Vlado sob tortura, em 1975, nos porões do Doi-Codi.

A partir da morte de Herzog, Audálio fez surgir o movimento que despertou e fortaleceu a sociedade brasileira para derrubada do regime militar.

Como sindicalista, foi quem reivindicou a reposição salarial para cerca de 10 mil jornalistas de São Paulo, prejudicados pelos dados falsos da inflação divulgada pelos militares na década de 1980, o que abriu caminho para o mesmo embate por outras categorias, como o movimento operário dos metalúrgicos do ABC.


O então deputado federal Audálio Dantas ao se encontrar com o líder cubano Fidel Castro

Depois de deixar a direção do SJSP, foi eleito deputado federal pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB). Audálio também presidiu a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), em 1983, o primeiro eleito por voto direto na entidade.

Na eleição da Fenaj de 2016, ainda foi eleito pela categoria para a Comissão Nacional de Ética da Federação.

Nas mais de seis décadas dedicadas ao jornalismo, ele trabalhou nos principais veículos do país, entre os quais a revista Realidade, numa carreira vasta e intensa, dentro e fora das redações.
Com um seu olhar generoso às causas sociais, em 1981 foi premiado pela Organização das Nações Unidas por sua luta aguerrida pelos direitos humanos, entre outras inúmeras premiações que recebeu por sua dedicação profissional.

Foi graças à sensibilidade do repórter que o mundo descobriu, na década de 1960, o livro “Quarto de despejo”, da escritora negra Carolina Maria de Jesus, moradora da favela paulistana do Canindé e catadora de lixo que teve sua obra traduzida para mais de dez idiomas.

Há um ano, o jornalista foi homenageado em seu aniversário com comemoração que lotou o auditório Vladimir Herzog. Na ocasião, recebeu o Troféu Indignação-Coragem-Esperança, uma iniciativa da Agência Sindical, do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé e da Oboré Projetos Especiais, com apoio do SJSP, da Fenaj e do Instituto Vladimir Herzog, entre outras entidades.

Também escritor, transformou algumas de suas grandes reportagens em livros. Entre outras publicações, lançou, em 2012, "As duas guerras de Vlado Herzog: da perseguição nazista na Europa à morte sob tortura no Brasil”, obra ganhadora do Prêmio Jabuti no ano seguinte.
Em entrevista concedida em agosto de 2017 ao jornal Unidade, Audálio afirmou que a reportagem sobre a escritora havia sido o fato mais importante de sua carreira jornalística “não pelo texto que escrevi, mas pelos textos que transcrevi do diário da Carolina e a repercussão que isso trouxe com mais uma reportagem de cunho social que eu tinha proposto. Ela é um acontecimento literário que dura desde os anos 1960 e acho que vai continuar cada vez mais”, destacou.

Questionado sobre os caminhos que o levaram ao jornalismo, Audálio disse: “Eu escolhi e em determinados momentos se inverteu, acho que também fui escolhido. Mas era uma aspiração que tem tudo a ver com a minha preocupação com os problemas sociais desde menino. Minha atuação como jornalista foi sempre, desde o início, na reportagem, e meus principais trabalhos foram voltados às questões sociais em geral”.

Quanto à importância do Sindicato dos Jornalistas e de ser sindicalizado, ressaltou que os colegas de profissão “não percebem que a defesa dos seus interesses passa por uma coisa que é civilizatória, que é a organização sindical, aquilo que permite uma discussão entre trabalho e capital. Não sendo assim, prevalece a ditadura. Só isso já bastaria para dizer que ser sindicalizado é um ato de inteligência”.

Audálio Dantas deixa quatro filhos, a esposa Vanira Kunc, uma infinidade de amigos, de amigas e de inúmeros admiradores da carreira brilhante do repórter.

O momento é de tristeza profunda pela perda de Audálio Dantas, um grande guerreiro que construiu uma história de vida pautada na ética do jornalismo e dos e das jornalistas, mesmo na luta contra os porões da ditadura e pela retomada da democracia, hoje novamente ameaçada.

O SJSP e a Fenaj expressam condolências e solidariedade à família. Nesta hora de despedida, Audálio compartilha sua luz para sempre ao se eternizar para o jornalismo e ao se tornar eterno presidente na história do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo.

Combateu o bom combate... Agora Audálio é eterno!

Audálio Dantas, presente! 



←  Anterior Proxima  → Inicio

FanPage do Pacatuba Em Foco

Mais Acessadas

Total de visualizações de página

Votar ao Topo