Tecnologia do Blogger.

APEOC

Postagens Populares

Sample Text

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation test link ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate another link velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur.

Arquivo do blog

Categories

Definition List

Definition list
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.
Lorem ipsum dolor sit amet
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Pages

Support

Need our help to upload or customize this blogger template? Contact me with details about the theme customization you need.

Ordered List

  1. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  2. Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  3. Vestibulum auctor dapibus neque.

Unordered List

  • Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  • Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  • Vestibulum auctor dapibus neque.

O grande acordo nacional: Cármen Lúcia, que salvou Aécio e tomou chá com Temer, condena Lula


O golpe não ia parar no impeachment de Dilma.

Estava no script de Jucá, com o Supremo, com tudo, que Lula seria retirado da disputa.

Não fazia sentido, depois da farsa de 2016, que Lula levasse a melhor no julgamento de seu habeas corpus.

Poucas coisas são mais embaraçosas que a fogueira de vaidades do STF.

Rosa Weber selou o destino do ex-presidente com um voto prolixo, supostamente hermético, na verdade confuso para acobertar sua covardia.

Quatro ministros indicados por Dilma votaram contra o chamado “remédio heroico”: o diminuto Fachin, Fux, Barroso (nosso Freddie Mercury de toga) e a supracitada Rosa.

“Em termos de desgaste, a estratégia não poderia ser pior”, disse Marco Aurélio a Cármen, em referência à decisão de colocar em pauta o HC e não as ações declaratórias de constitucionalidade (ADCs), que discutem o tema de forma genérica, sem um réu específico.

Cármen foi indicação de Lula — e a ela coube o voto de Minerva, saindo como heroína da Globo, ponto alto de uma trajetória marcada pela mediocridade.

Logo de cara anunciou que manteria “coerência com manifestações anteriores”. 6 a 5. Bingo.

Para quem já vinha lambendo as botas da Globo, dobrar-se a um general foi mole.

Há uma justiça poética no ridículo sublime de ser a mesma Cármen que salvou Aécio Neves com um voto que ela admitiu “extremamente conturbado”.

A mesma Cármen que se encontra com o investigado Michel Temer para tomar chá fora da agenda.

Foi mais uma amostra do apequenamento que, ali, é regra.

Rasgou a Constituição e assim entra para a História.

No Circo Voador, no Rio de Janeiro, no ato em defesa da democracia e contra o fascismo, homenageando Marielle, Lula lembrou Getúlio.

Se ele tivesse em vida “10% do apoio que teve depois de morrer”, falou, “não teria se matado”.

É inevitável pensar que Lula estava, de alguma maneira, fazendo uma auto referência.

Nós vamos cumprir nossa vocação de assistir a tudo passivamente? Sim, ao que tudo indica.

Aristides Lobo é autor de uma frase definitiva sobre esse traço nacional.

Numa carta, escreveu sobre a proclamação da República em 1889: “O povo assistiu àquilo bestializado, atônito, surpreso, sem conhecer o que significava”.

O que significa, no atual roteiro cheio de spoilers, é um candidato da direta contra o da extrema direita, já estabelecido, Bolsonaro.

A obra de Carminha não seria possível sem várias participações especiais — inclusive a nossa.

Frente ampla de esquerda já. Ou nos locupletemos todos com Luana Piovani em Portugal.

←  Anterior Proxima  → Inicio

FanPage do Pacatuba Em Foco

Mais Acessadas

Total de visualizações de página

Votar ao Topo