Tecnologia do Blogger.

APEOC

Postagens Populares

Sample Text

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation test link ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate another link velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur.

Arquivo do blog

Categories

Definition List

Definition list
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.
Lorem ipsum dolor sit amet
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Pages

Support

Need our help to upload or customize this blogger template? Contact me with details about the theme customization you need.

Ordered List

  1. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  2. Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  3. Vestibulum auctor dapibus neque.

Unordered List

  • Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  • Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  • Vestibulum auctor dapibus neque.

Ministério Público inicia inquérito para investigar Alckmin por suspeita de receber caixa 2 da Odebrecht


O Ministério Público de São Paulo abriu no início da tarde desta sexta-feira (20) inquérito civil para investigar o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), pré-candidato tucano à Presidência da República, por suspeita de ter praticado improbidade administrativa ao receber R$ 10, milhões via caixa dois. Por ter se desincompatibilizado do governo para disputar as eleições de outubro, Alckmin está desde o última dia 7 sem a proteção do foro privilegiado, e por isso o MP-SP pôde dar início à investigação sem as amarras da lei. Como este site mostrou em 11 de abril, ele escapou da Operação Lava Jato depois de perder o foro no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

A investigação vai se debruçar sobre a denúncia de pagamento por vantagem indevida a Alckmin, por parte do grupo Odebrecht, com participação de terceiros e em diferentes momentos. Os investigadores querem saber qual o propósito dos pagamentos, que irrigaram duas campanhas eleitorais do tucano, e por que os valores não foram formalmente registrados.

Segundo apurações preliminares, dinheiro foi pago por meio de caixa dois, ou seja, sem a devida declaração à Justiça Eleitoral. Ainda de acordo com o MP-SP, foram repassados irregularmente os já mencionados R$ 2 milhões para a campanha de 2010 e R$ 8,3 milhões para a campanha de 2014, como a Lava Jato já havia sinalizado.

Alckmin é um dos 12 gestores estaduais investigados na Operação Lava Jato, em uma relação de quase cem nomes listados pelo ministro Edson Fachin, relator do caso no Supremo Tribunal Federal (STF). Ex-diretor da Odebrecht Infraestrutura, Benedicto Barbosa da Silva Júnior era quem comandava o chamado “departamento da propina” da empreiteira e, em seu depoimento à Justiça (vídeo abaixo), afirma ter repassado via caixa dois, nas eleições majoritárias de 2010 e 2014, mais de R$ 10 milhões ao então candidato ao governo paulista. Além de Benedicto, outros dois relatos feitos em delação premiada fazem menção aos valores criminosamente repassados ao tucano – um dos principais nomes do PSDB em nível nacional, Alckmin e outras lideranças políticas de diversos partidos tinham o perfil preferido da empreiteira em negociatas, segundo os próprios delatores.

Veja a delação de Benedicto:


A portaria do inquérito foi assinada pelos promotores do MP-SP Marcelo Milani, Nelson Luis Sampaio de Andrade e Otávio Ferreira Garcia.

Por meio de notas (íntegras abaixo), tanto o grupo empresarial quanto o tucano já se defenderam das acusações. A assessoria do ex-governador diz que ele recebe “a investigação de natureza civil com tranquilidade” e se coloca “à disposição para prestar quaisquer esclarecimentos”, pois declara ter “total consciência da correção de seus atos”. Já a Odebrecht lembra que já colabora com a Justiça brasileira “e nos países em que atua”, de maneira que “já reconheceu os seus erros, pediu desculpas públicas”.

Leia a nota de Alckmin:

O ex-governador vê a investigação de natureza civil com tranquilidade e está à disposição para prestar quaisquer esclarecimentos. Não apenas por ter total consciência da correção de seus atos, como também por ter se posicionado publicamente contra o foro privilegiado. Registre-se que os fatos relatados já estão sendo tratados pela Justiça Eleitoral, conforme determinou o Superior Tribunal de Justiça.

Leia a nota do grupo Norberto Odebrecht:

A Odebrecht está colaborando com a Justiça no Brasil e nos países em que atua. Já reconheceu os seus erros, pediu desculpas públicas, assinou um Acordo de Leniência com as autoridades do Brasil, Estados Unidos, Suíça, República Dominicana, Equador, Panamá e Guatemala, e está comprometida a combater e não tolerar a corrupção em quaisquer de suas formas.

←  Anterior Proxima  → Inicio

FanPage do Pacatuba Em Foco

Mais Acessadas

Total de visualizações de página

Votar ao Topo