Tecnologia do Blogger.

APEOC

Postagens Populares

Sample Text

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation test link ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate another link velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur.

Arquivo do blog

Categories

Definition List

Definition list
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.
Lorem ipsum dolor sit amet
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Pages

Support

Need our help to upload or customize this blogger template? Contact me with details about the theme customization you need.

Ordered List

  1. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  2. Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  3. Vestibulum auctor dapibus neque.

Unordered List

  • Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  • Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  • Vestibulum auctor dapibus neque.

Abril está falindo. “Veja” vai sobreviver?

Por Altamiro Borges

Na quarta-feira passada (13), o Grupo Abril, que edita a asquerosa revista “Veja”, iniciou um novo “plano de reestruturação” – nome fantasia de mais uma sacanagem contra os trabalhadores. De acordo com o Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, cerca de 130 profissionais foram demitidos e o facão pode atingir 170 funcionários. O decadente império da famiglia Civita também confirmou a entrega de parte dos imóveis que ocupa na Marginal de Pinheiros e especula-se que várias revistas da editora devem ser extintas. Há boatos de que a empresa encontra-se em estado pré-falimentar. Sem dinheiro em caixa, ela inclusive propôs parcelar o pagamento da rescisão contratual dos demitidos.

Diante da forte boataria, o novo presidente-executivo do Grupo Abril, Arnaldo Figueiredo Tibyriçá, apressou-se em garantir que a empresa não irá fechar. Em nota, ele apenas comunicou que “demos os primeiros passos de uma reorganização que, infelizmente, envolveu o desligamento de alguns colaboradores” e que visa “alavancar os negócios atuais”. No seu linguajar tecnocrático, que pouco se importa com a situação dos funcionários, ele negou os rumores sobre um pedido de recuperação judicial, o que levaria a empresa a ser administrada por interventores. “Quanto aos boatos de que estaríamos num processo de recuperação judicial, garanto que isso não faz parte da minha missão porque a superação de nossos desafios não requer medidas desse tipo”.

O comunicado oficial, porém, não convenceu os funcionários e nem a entidade da categoria. “O Sindicato dos Jornalistas enviou diretores para a empresa tão logo soube do ocorrido para conversar com os jornalistas e combater as demissões. O número de jornalistas demitidos ainda é incerto: falou-se em 17, e a empresa afirmou que foram 14. O sindicato manifestou sua oposição às demissões, e ainda mais às condições em que ocorreram: a empresa comunicou aos trabalhadores que não pretende pagar no prazo legal as verbas rescisórias (dias trabalhados, aviso prévio, 13º salário e 13º proporcional, férias vencidas e férias proporcionais, folgas devidas e outros direitos)”.

“Pela lei, a empresa tem de pagar as verbas até o 10º dia corrido após a demissão, mas está apresentando aos demitidos um texto para a pessoa assinar aceitando o parcelamento em 10 meses, em parcelas iguais, sem qualquer correção. Na última parcela, a empresa se comprometeria a quitar a multa de um salário a mais, imposta por lei (multa do art. 477 da Consolidação das Leis do Trabalho), quando se chega ao 11º dia após a demissão sem a quitação integral das verbas. O parcelamento corresponde ao ‘acordo’ que a empresa propôs aos jornalistas há mais de três meses, sem aceitar qualquer negociação, e que foi rejeitado pelos jornalistas da empresa em assembleia e pelo SJSP. Por isso, a entidade não aceitou homologar as duas demissões ocorridas antes de 11 de novembro nessas condições”.

“Agora, a orientação da entidade para qualquer trabalhador demitido é que se recuse a assinar qualquer documento de parcelamento de verbas rescisórias e procure imediatamente o sindicato, para que a entidade possa levar uma luta coletiva que garanta o pagamento integral de todos os direitos. ‘Não podemos aceitar que uma empresa de propriedade de bilionários, que acumularam uma fortuna com o trabalho de milhares de pessoas que construíram a editora Abril nas últimas seis décadas, agora demita parte de seus trabalhadores e sonegue os seus direitos, usando na prática o dinheiro dos demitidos para financiar as atividades da empresa’, disse Paulo Zocchi, presidente do sindicato”.

Em tempo: Na edição da semana passada, a revista Veja obrou mais uma das suas capas terroristas contra o ex-presidente Lula. Com base em um depoimento vazado do ex-ministro da Fazenda, o “cachorro” Antonio Palocci, ela afirmou que o dirigente líbio Muammar Gaddafi doou secretamente US$ 1 milhão à campanha presidencial do petista em 2002. Não há qualquer prova sobre a acusação, apenas a informação de que o ex-ministro “prometeu entregar os comprovantes da operação”. O factoide serviu para a revista do esgoto afirmar que a legislação eleitoral brasileira proíbe o recebimento de recursos financeiros de procedência estrangeira e para insinuar que a denúncia serviria para cassar o registro do PT. Será que mais este serviço sujo da “Veja” resultou em alguns “pixulecos” do covil golpista para salvar o falido e decadente Grupo Abril? 

←  Anterior Proxima  → Inicio

FanPage do Pacatuba Em Foco

Mais Acessadas

Total de visualizações de página

Votar ao Topo