Relator da Lava Jato, Fachin nega inclusão de Temer em inquérito sobre “quadrilhão do PMDB” ~ Pacatuba Em Foco
Tecnologia do Blogger.

APEOC

Postagens Populares

Sample Text

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation test link ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate another link velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur.

Arquivo do blog

Categories

Definition List

Definition list
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.
Lorem ipsum dolor sit amet
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Pages

Support

Need our help to upload or customize this blogger template? Contact me with details about the theme customization you need.

Ordered List

  1. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  2. Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  3. Vestibulum auctor dapibus neque.

Unordered List

  • Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  • Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  • Vestibulum auctor dapibus neque.

Futebol Ao Vivo

Futebol Ao Vivo

Participe pelo Whatsapp 85 988 621 206

Relator da Lava Jato, Fachin nega inclusão de Temer em inquérito sobre “quadrilhão do PMDB”


O relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Edson Fachin negou nesta quinta-feita (10) a inclusão do presidente Michel Temer nas investigações sobre o chamado “quadrilhão do PMDB”, reunião de caciques peemedebistas acusados de receber propina e outros tipos de vantagens ilícitas em empreiteiras do petrolão e outros esquemas de corrupção. A inserção de Temer no rol de suspeitos foi pedida pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em 2 de agosto, dia seguinte à decisão da Câmara de blindar Temer da denúncia apresentada ao STF pelo próprio Janot contra o presidente, com acusação de corrupção passiva. Além de Temer, o PGR solicitou a inclusão do ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, e do ministro da Secretaria de Governo, Moreira Franco, no mesmo inquérito.

Tanto Eliseu quanto Moreira Franco também foram beneficiados com a decisão de Fachin, que acatou pedido da defesa de Temer feito na última sexta-feira (4). Em seu despacho, o ministro alega que os relatos e indícios que colocam Temer sob suspeição já estão sob apuração em outro inquérito, origem da denúncia por corrupção passiva suspensa pela Câmara na semana passada. Nesse processo, Temer e o deputado suplente Rocha Loures (PMDB-PR), o “o deputado da mala” de dinheiro que chegou a ser preso, são acusados de receber R$ 500 mil em propina – segundo investigadores, foi a primeira das várias parcelas de uma espécie de aposentadoria de centenas de milhões de reais que, durante mais de 20 anos, seria paga pelo Grupo JBS aos dois peemedebistas.

A investigação sobre o presidente só poderá ser retomada quando ele deixar o mandato, em 1º de janeiro de 2019, mesmo que outras apurações sigam seu curso. Isso quer dizer que, de acordo com o entendimento de Fachin, a exclusão formal do presidente do rol de suspeitos do quadrilhão do PMDB, partido que ele presidiu por três décadas, não impede que os indícios que o possam incriminar sejam examinados nos diferentes inquéritos abertos sobre o núcleo peemedebista, conjuntamente.

Segundo Fachin, o inquérito originário (das delações do Grupo JBS) já reúnem “a apuração das supostas práticas delituosas relacionadas, em tese, aos crimes de organização criminosa e obstrução à Justiça” – este, o tipo penal apontado por Janot para a segunda denúncia contra Temer, esperada para os próximos dias (o PGR deixa o cargo em 17 de setembro). Ainda de acordo com o ministro, o conjunto de indícios já foi compartilhado nas investigações sobre o quadrilhão do PMDB, de modo que a inclusão do nome do presidente e dos ministros entre os investigados não se faz mais necessária.

“É desnecessária a inclusão formal dos nomes como requerida pela própria autoridade policial, considerando a apuração já autorizada”, argumentou o ministro, que determinou ainda à Polícia Federal o encerramento, em até 15 dias, da investigação sobre o quadrilhão peemedebista.

Para Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, advogado criminalista que faz a defesa de Temer nesse caso, Janot recorreu a um “artifício” para investigar o peemedebista em outro procedimento correlato, sem que fatos novos viessem a justificar a medida. Segundo Mariz, o PGR queria outra apuração “do nada” contra o mandatário.

←  Anterior Proxima  → Inicio

FanPage do Pacatuba Em Foco

Mais Acessadas

SERIPAN

Ir para o Topo