Jovem deixou 14 livros escritos à mão e criptografados antes de sumir, diz mãe ~ Pacatuba Em Foco
Tecnologia do Blogger.

APEOC

Postagens Populares









Ouça-nos em seu celular ou tablet. Baixe um dos seguintes Aplicativos no Google Play: - RádiosNet; - TuneIn; - Irádios; VEM COMIGO !!!


Jovem deixou 14 livros escritos à mão e criptografados antes de sumir, diz mãe

Bruno Borges, de 24 anos, está desaparecido desde a segunda (27). Sete dias depois, a mãe dele, Denise Borges, falou sobre o mistério que envolve o sumiço do filho.

Por Caio Fulgêncio

O estudante de psicologia Bruno Borges, de 24 anos, está desaparecido desde a última segunda-feira (27) em Rio Branco. Uma semana após o ocorrido, a mãe dele, a psicóloga Denise Borges, falou com exclusividade ao G1, mostrando uma série de razões que a fazem acreditar que o caso não se trata apenas de mais um sumiço de pessoa.

O desaparecimento do jovem é investigado pela Polícia Civil do Acre. O coordenador da Delegacia de Investigação Criminal (DIC), delegado Fabrizzio Sobreira, afirmou que todas as possibilidades estão sendo consideradas, mas que o caso segue em sigilo.

A última vez que os parentes o viram foi durante o almoço convencional com a família, na segunda-feira, após os pais voltarem de uma viagem de mais de 20 dias. Denise conta que Bruno voltou para casa e todos seguiram o dia normal de trabalho.

Mais tarde, o pai de Bruno, o empresário Athos Borges, retornou para a residência da família em Rio Branco e percebeu que o filho não estava. "Eu fui a última pessoa a ver o Bruno. Eu deixei ele na esquina de casa e dali eu fui embora. Ele falou até mais pai, e a partir dali a gente não teve mais notícia".

Atrás da porta do quarto, mantida 24 dias trancada enquanto os pais viajavam, no lugar de móveis, uma estátua do filósofo Giordano Bruno (1548-1600), por quem tem grande admiração, orçada em R$ 7 mil, e 14 livros extremamente organizados, escritos à mão. Alguns deles copiados nas paredes, teto e no chão. Todas as obras – identificadas por números romanos – criptografadas.

O desaparecimento de Bruno só foi percebido quando o pai entrou no quarto e viu as mudanças que haviam sido feitas no local. "Eu entrei lá e não vi a cama, não vi nada, só vi aquilo tudo. Naquele momento eu vi que o Bruno tinha ido embora", conta o empresário.

Enquanto os pais viajavam, Bruno ficou em casa com o irmão gêmeo Rodrigo Borges, que não quis comentar o caso, e Gabriela Borges, a irmã mais velha.

"Ele falava que era o projeto dele, eu questionava o porquê que não poderia saber o que era o projeto e ele me disse que iria me contar o que era em duas semanas. As pessoas falam porque que você não foi lá e abriu aquela porta? As pessoas têm que entender que não se tratava de uma criança, é um adulto e tem a privacidade dele. Me incomodava, mas eu não podia arrombar a porta", disse Gabriela.

A irmã conta ainda que Bruno chegou a deixar uma chave que relaciona letras aos símbolos e, com base nisso, os irmãos conseguiram traduzir algumas coisas. "O título de um dos livros é 'A teoria da absorção do conhecimento'", contou Gabriela.

O mistério repercutiu nas redes sociais depois que um vídeo – gravado sem autorização da família – viralizou.

No quarto, os escritos são feitos de forma impecável, com precisão e simetria, como em uma página de caderno. Várias simbologias foram desenhadas no cômodo e também ao redor da estátua. Um quadro na parede em que Bruno aparece sendo tocado por um extraterrestre também mostra o interesse do jovem pelos mais diversos assuntos.

Denise lembra que o filho havia falado, há bastante tempo, de um projeto em que estava trabalhando e para o qual precisaria de dinheiro. Em resposta, ela falou que patrocinaria se soubesse do que se tratava, pedido que foi rejeitado. Segundo a mãe, Bruno iniciou a produção em 2013 e, há um ano, passou a se dedicar na finalização.

“Ele dizia que era secreto e não dei o dinheiro. Então, começou a procurar pessoas que acreditassem nele sem contar o que era o projeto. Ele só me falava que estava escrevendo 14 livros que iriam mudar a humanidade de uma forma boa. Ele me pediu um ano sem trabalhar para terminar e eu, orientada por um médico, deixei”, fala.

Ainda sem saber o que os livros escondem, a mãe revela que até o dia 1° de março, data em que viajou de férias, o quarto de Bruno estava com os móveis habituais. Os outros dois irmãos, no entanto, revelaram que, a partir da saída dos pais, a porta passou a ficar sempre fechada. Foram exatos 22 dias fazendo as mudanças.

“Antes disso, tinha escrito cinco livros. Um deles ele queria patentear, porque havia lançado uma teoria. Ele me pediu ajuda e eu disse que iria ler. Li três vezes. Somente na terceira, quando fui ler, entendi. Nunca tinha visto uma coisa daquela, era perfeita a teoria dele, que somos interligados em tudo. Ele queria patentear e eu não dei conta”, diz.

A estátua de Giordano Bruno – réplica da que existe no Campo dei Fiori, em Roma – é um dos objetos emblemáticos. A família ressalta que não sabe exatamente em que momento o artefato entrou na casa. A peça foi produzida na capital acreana e levada à residência na semana passada em um momento que o jovem estava sozinho.

O dinheiro para custear o projeto, de acordo com Denise, Bruno conseguiu com um primo, R$ 20 mil. “Tem muitos anos que ele vem estudando filosofia, era muito fã de Giordano. Meu filho sabe falar sobre qualquer assunto, tem uma capacidade intelectual muito alta. Já leu a Bíblia toda e a obra de Shakespeare inteira”, relata.

Muitas teorias envolvem o caso. Nas redes sociais, internautas atentaram inclusive à visível semelhança física entre o acreano e o próprio Giordano Bruno, com quem compartilha um dos nomes. Para alguns, o jovem pode estar tentando terminar as obras do filósofo, trabalho interrompido pela sua morte pela Inquisição.

Tentando decifrar o mistério

Passados sete dias do desaparecimento e o desespero inicial, Denise afirma que começa a entender as atitudes do filho, que não tem problemas psicológicos, segundo ela. Diante do tamanho do esforço de Bruno, a mãe revela emocionada que talvez tivesse recorrido a medidas drásticas se visse os escritos de outra forma.

“Se ele abrisse a porta do quarto e nos chamasse para ver, eu iria chorar até ‘morrer’, chamar a ambulância e mandar internar. Ele sabia o que nós faríamos. Talvez tenha ido embora para que chegássemos a esse esclarecimento. Talvez tenha tentado patentear, não tenha conseguido, e criou uma linguagem própria ou talvez a obra tenha sido feita para ser lida por quem tem uma inteligência além”, especula.

No momento, a família procura algum especialista que possa ajudar a decifrar as diferentes criptografias dos livros. Católica, Denise fala que, apesar de preocupada, a família está mais serena, acreditando que o “exílio” também faça parte dos planos de Bruno na construção de suas teorias filosóficas.

“Como mãe, tenho medo dele estar no tempo ou sem comer. Como psicóloga, sei que se a pessoa ficar muito tempo sem se alimentar pode entrar em um surto. Estou preocupada, mas nessas horas o que pode alentar é joelho no chão e Deus. Existe tanta oração por ele, que o vejo coberto de luz divina”, acrescenta.

Ajuda do primo

O médico oftalmologista Eduardo Veloso, primo de Bruno, conta que conversou com o jovem e acreditou no projeto. Ele falou ainda que o primo não contou muito sobre o que estava fazendo.

"Na nossa primeira conversa, li umas 15 páginas do livro e, como eu gostei, falei que ajudaria a financiar. Durante uma conversa, percebi que ele tinha uma ideias que batiam, apesar de não me falar o que era o projeto em si. Ele só me disse que era uma coisa inédita no mundo, que ninguém nunca tinha feito isso e que ia ficar conhecido rapidamente", disse.

Veloso contou ainda que transferiu a quantia de R$ 20 mil para a conta de Bruno. "Acreditei e fiz esse aporte de capital no projeto, não especificamente para uma ou outra coisa como andam falando. Ele me falou que tinha uma estátua em um local que era para visitação, mas não disse onde. Eu sabia da existência da estátua", completou.

Vida

Os livros são o refúgio de Bruno desde a adolescência, quando passou a considerar que havia estudado pouco até então e que precisava compensar o tempo perdido. Mesmo com o gosto pelas leituras mais densas, Denise afirma sempre se preocupou em acompanhar as escolhas do rapaz.

“Ele começou a ler muito e, na minha visão, estava lendo demais. Passou a comprar muitos livros e eu ficava preocupada, mas sempre cuidadosa sobre que tipo de leituras ele fazia. Hoje, as pessoas com quem ele conseguia conversar eram juízes, desembargadores, intelectuais”, ressalta.

Desde muito cedo, Bruno demonstrava ser diferente e, conforme a mãe, querido por todos devido ao coração bondoso. Ela diz que os amigos dele sempre foram mendigos ou pessoas excluídas pela sociedade, como portadores de distúrbios mentais.

“Ele é iluminado. Na escola, sempre foi diferenciado, um líder nato, com um alto poder de persuasão. É um menino de um coração tão bom, que dava as coisas da casa e dele aos outros, como camisetas e calças. Não é porque é meu filho, estou falando do Bruno amoroso, que enxerga a alma das pessoas”, fala.

Quem foi Giordano Bruno?

Giordano Bruno foi um filósofo, teólogo e escritor nascido em Nola, na Itália, em 1548, acusado de heresia por suas ideias pelo Santo Ofício e morto em Roma, em 1600, queimado na fogueira depois de se recusar a abrir mão de suas doutrinas.

Dentre outras coisas, o filósofo defendia a infinitude do universo e sua característica de transformação constante. Para ele, Deus também é infinito – imanente e transcendente – e sem contradições, uma vez que os opostos terminam por coincidir nesse infinito.

Sendo assim, o universo – de acordo com Giordano – seria algo vivo, conduzido pela mesma lei e Deus está presente em toda parte, cabendo aos seres humanos adorá-lo além de qualquer dogma. Durante a vida, o filósofo escreveu sobre cosmologia, física, magia e a arte da memória.

←  Anterior Proxima  → Inicio

Futebol Ao Vivo

Mais Acessadas

Total de visualizações de página