Greve da educação puxa a GREVE GERAL da classe trabalhadora ~ Pacatuba Em Foco
Tecnologia do Blogger.

APEOC

Postagens Populares

Sample Text

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation test link ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate another link velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur.

Arquivo do blog

Categories

Definition List

Definition list
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.
Lorem ipsum dolor sit amet
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Pages

Support

Need our help to upload or customize this blogger template? Contact me with details about the theme customization you need.

Ordered List

  1. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  2. Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  3. Vestibulum auctor dapibus neque.

Unordered List

  • Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  • Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  • Vestibulum auctor dapibus neque.

Futebol Ao Vivo

Futebol Ao Vivo

Participe pelo Whatsapp 85 988 621 206

Greve da educação puxa a GREVE GERAL da classe trabalhadora

A Greve Geral Nacional da Educação, deflagrada pela CNTE e seus sindicatos filiados a partir de 15 de março, com ampla adesão de outras categorias profissionais no Dia de Paralisação Nacional convocado pela CUT e demais Centrais Sindicais (também em 15/03), foi o marco da retomada da luta social em defesa dos direitos da classe trabalhadora, que o governo Golpista de Michel Temer tenta retirar de várias formas.


O Golpe no Brasil não pretendeu apenas desestabilizar a democracia e a economia, por parte de quem perdeu as eleições em 2014, mas, sobretudo, visa atacar os direitos da classe trabalhadora e consolidar privilégios para poucos, com destaque para as reformas da Previdência e Trabalhista, que (re)escravizam o/a trabalhador/a; a Terceirização ampla e irrestrita já aprovada no Congresso e que deixará trabalhadores dos setores público e privado quase nas mesmas condições de quem labuta na informalidade; a desvinculação das receitas da educação por 20 anos e o ajuste fiscal que comprometerá os investimentos sociais, também por duas décadas; a descriminalização do Caixa Dois de campanhas eleitorais; a entrega do nosso petróleo aos estrangeiros por meio da Lei 13.365 (mudança na exploração do Pré-sal); a repatriação sistemática de dinheiro remetido ilicitamente para o exterior; entre outras pautas espúrias e contra os interesses da maioria da Nação.

A Greve da Educação teve por objetivo central denunciar o ataque à aposentadoria dos trabalhadores – pois a reforma da Previdência retira direitos e amplia a privatização de fundos previdenciários e de pensões, comprometendo o patrimônio nacional e a segurança social do país – além de denunciar o descumprimento da Lei do Piso do Magistério em muitos estados e municípios do país.

Mas não foi só isso. A Greve da Educação também queria e conseguiu despertar a sociedade para todas as mazelas impostas pelo Golpe. E a maior vitória desse processo de mobilização foi a convocação através de todas as Centrais Sindicais da GREVE GERAL da Classe Trabalhadora para o dia 28 de abril próximo.

Sob o lema “Vamos parar o Brasil”, os/as trabalhadores/as darão nova demonstração de força aos golpistas, exigindo que retirem as mãos de nossos direitos. E a preparação para a Greve Geral já acontece no próximo dia 31 de março, quando serão organizadas grandes manifestações em defesa da Previdência e da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) no país inteiro.

A CNTE está empenhada na construção da Greve Geral, e desde já convoca todos/as os/as trabalhadores/as em educação para estarem presentes nas diversas mobilizações que integram a Jornada de Lutas da Educação rumo à Greve Geral da Classe Trabalhadora, com destaque para as seguintes atividades aprovadas pelo Comando da Greve Nacional da Educação, as quais estarão sob a coordenação da CNTE e de seus sindicatos filiados:
  1. Manter a pressão sobre os/as parlamentares em suas bases eleitorais, nos aeroportos, em eventos públicos e por meio de acampamentos e visitas às residências dos parlamentares;
  2. Realizar “adesivaços” e investir em cartazes e outdoors denunciando as reformas da Previdência e Trabalhista e os parlamentares que as apoiam;
  3. Realizar reuniões com deputados federais e senadores cobrando o posicionamento deles/as contra as reformas previdenciária e trabalhista, através de assinatura em documento público;
  4. Propor moções de repúdio aos parlamentares de todas as Câmaras e Assembleias Legislativas contra as reformas da Previdência e Trabalhista, devendo as mesmas seguirem para o Congresso Nacional;
  5. Realizar aulas públicas nas escolas, nos centros urbanos e nas associações de bairros, bem como atos e audiências públicas nos parlamentos estaduais, distrital e municipais para debater as reformas que retiram direitos da classe trabalhadora;
  6. Ampliar contato com entidades da sociedade civil, a exemplo da CNBB, CONIF, CARITAS, igrejas de matiz africanas, OAB, FENAJ, Entidades do Movimento Negro, CIMI, Marcha Mundial das Mulheres, Via Campesina, ABRASCO-Saúde Coletiva, além das que integram as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo (UNE, UBES, MST, CONTAG, MTST, Central de Movimentos Populares etc);
  7. Investir na criação de Comitês contra as Reformas da Previdência e Trabalhista em todos os municípios do país;
  8. Manter apoio às greves da educação em curso no país e incentivar novas paralisações onde a conjuntura permitir;
  9. 31 de março (Dia Nacional de Mobilização rumo à Greve Geral): os sindicatos filiados à CNTE deverão organizar/aderir grandes manifestações públicas, na perspectiva de aglutinar forças com outros setores da sociedade;
  10. 17 a 20 de abril: realizar atividades nas escolas para debater os temas da 18ª Semana Nacional em Defesa e Promoção da Educação Pública (CNTE produzirá subsídios);
  11. 24 a 27 de abril: Mutirão em Defesa da Educação Publica e Contra as Reformas da Previdência e Trabalhista – panfletagem nos bairros e diálogo com a comunidade escolar (CNTE sugerirá panfletos por meio do sítio eletrônico);
  12. 28 de abril: Greve Geral da Classe Trabalhadora;
  13. 1º de maio: participar das manifestações promovidas pela CUT e demais centrais engajadas na luta pelos direitos da classe trabalhadora;
  14. 10 de maio: reunião da Diretoria Executiva da CNTE
  15. 11 e 12 de maio: reunião do Conselho Nacional de Entidades da CNTE para debater a continuidade da Jornada de Lutas e a intervenção no processo de tramitação das reformas no Congresso Nacional;
  16. No dia da votação da reforma da Previdência, em Brasília, organizar atos públicos preferencialmente em frente aos parlamentos municipais e estaduais, a fim de acompanhar e divulgar o voto de cada um dos parlamentares;
  17. A Diretoria Executiva da CNTE ficará de plantão para coordenar as ações da Jornada de Lutas e para organizar a mobilização contra as reformas da Previdência e Trabalhista.
←  Anterior Proxima  → Inicio

FanPage do Pacatuba Em Foco

Mais Acessadas

APEOC

SERIPAN

RADIOSNET