A curiosa “propina” a Lula, anos depois e para ter “desvantagem” ~ Pacatuba Em Foco
Tecnologia do Blogger.

APEOC

Postagens Populares

Sample Text

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation test link ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate another link velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur.

Arquivo do blog

Categories

Definition List

Definition list
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.
Lorem ipsum dolor sit amet
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Pages

Support

Need our help to upload or customize this blogger template? Contact me with details about the theme customization you need.

Ordered List

  1. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  2. Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  3. Vestibulum auctor dapibus neque.

Unordered List

  • Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  • Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  • Vestibulum auctor dapibus neque.

Futebol Ao Vivo

Futebol Ao Vivo

Participe pelo Whatsapp 85 988 621 206

A curiosa “propina” a Lula, anos depois e para ter “desvantagem”



Do noticiário dos jornais sobre a tentativa de Marcelo Odebrecht de envolver Lula pessoalmente na sua lista universal de “bondades” financeiras, duas coisas chamam a atenção, e as transcrevo:

O codinome “Amigo”, que consta na planilha da Odebrecht, é dono de um saldo de 23.000, que corresponderia a R$ 23 milhões na contabilidade paralela da empreiteira. Deste total, R$ 8 milhões teriam sido pagos entre novembro de 2012 e setembro de 2013, restando ainda na planilha R$ 15 milhões de saldo. (O Globo)

Esperem aí: Lula, aquele que parece no centro do powerpoint do Dr. Deltan Dallagnol no centro do “governo da propinocracia” foi receber algum só depois de deixar de ser o “chefão”? E dois anos depois? E R$ 8 milhões, menos do que Michel Temer, à época apenas um apagado vice-presidente, quando “mordeu” R$ 10 milhões, no ato, do mesmo Marcelo Odebrecht?

A conta, evidentemente, não fecha. Nem mesmo para justificar a tal reforma do sítio de Atibaia que, diz o mesmo o Globo, foi situada pela Polícia Federal “entre novembro de 2010 e setembro de 2011”

E mais: o dinheiro para Temer, sabe-se foi levado por Lúcio Funaro a José Yunes. O suposto pagamento a Lula, além da data “troncha” não tem como e a quem, questão obrigatória quando alguém diz ter dado algo a alguém.

O segundo ponto é ainda mais interessante. É que no Estadão, a colunista Vera Rosa afirma que:

Odebrecht descreve a amizade entre o pai, Emílio, e o ex-presidente como um estorvo. Se queixa de que o pai cedia demais aos pedidos de Lula, o que obrigava a empresa a fazer investimentos desvantajosos.

Então A Odebrecht “pagava” Lula para “fazer investimentos desvantajosos”, isto é, ter prejuízo?

Se os investimentos eram “desvantajosos” para a empresa, que tipo de vantagem por eles poderia alguém pedir?

Está evidente que há uma armação e um conflito (verdadeiro ou simulado) entre o que diz o pai – e dono – da Odebrecht (Emílio) e o herdeiro Marcelo.

É tudo tão fraco que, embora fosse, em tese, o “grande prêmio” do “pegamos o Lula”, tanto O Globo quanto o Estadão fizeram chamadas modestas nas primeiras páginas, como você vê acima.

Sabem que não têm nada, senão uma história do que pediram a delatores para delatar, embora não tenham como provar.

←  Anterior Proxima  → Inicio

FanPage do Pacatuba Em Foco

Mais Acessadas

APEOC

SERIPAN

RADIOSNET