Temer garante foro privilegiado a Moreira Franco, o “Angorá” da Odebrecht ~ Pacatuba Em Foco
Tecnologia do Blogger.

APEOC

Postagens Populares

Sample Text

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation test link ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate another link velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur.

Arquivo do blog

Categories

Definition List

Definition list
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.
Lorem ipsum dolor sit amet
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Pages

Support

Need our help to upload or customize this blogger template? Contact me with details about the theme customization you need.

Ordered List

  1. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  2. Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  3. Vestibulum auctor dapibus neque.

Unordered List

  • Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  • Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  • Vestibulum auctor dapibus neque.

Futebol Ao Vivo

Futebol Ao Vivo

Participe pelo Whatsapp 85 988 621 206

Temer garante foro privilegiado a Moreira Franco, o “Angorá” da Odebrecht

Por Rodrigo Martins

Em uma única delação, o novo secretário geral da Presidência, agora com status de ministro, é citado 34 vezes, acusado de coletar propina

Na quinta-feira 2, Michel Temer anunciou uma série de alterações no primeiro escalão. Além de recriar ministérios e nomear o tucano Antonio Imbassahy como secretário de Governo, ofereceu status de ministro a Wellington Moreira Franco, novo secretário geral da Presidência. Com a medida, o “Angorá” das planilhas da Odebrecht passa a ter direito a foro privilegiado e só poderá ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal.

A Secretaria Geral da Presidência da República havia sido extinta em 2015 pela então presidente Dilma Rousseff. Antes da mudança anunciada por Temer, Moreira Franco era secretário-executivo do Programa de Parcerias em Investimentos (PPI), que continuará sob os cuidados de sua nova pasta, também responsável pelas secretarias de comunicação e administração, além do cerimonial.

A medida foi anunciada na mesma semana em que o STF homologou 77 colaborações premiadas de executivos da Odebrecht. Na pré-delação de Cláudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da empreiteira, o promovido ministro Moreira Franco foi citado mais de 30 vezes, acusado de ter recebido dinheiro para defender os interesses da empreiteira no setor aeroportuário. O documento, revelado pela mídia em dezembro de 2016, detalha o papel desempenhado pelo peemedebista, identificado nas planilhas de pagamento de propinas com o codinome “Angorá”.

“Michel Temer atua de forma muito mais indireta, não sendo seu papel, em regra, pedir contribuições financeiras para o partido, embora isso tenha ocorrido de maneira relevante no ano de 2014, conforme detalharei adiante. Esse papel de “arrecadador” cabe primordialmente a Eliseu Padilha e, em menor escala, a Moreira Franco”, diz o texto.

Melo Filho afirma que seu relacionamento com Moreira Franco é antigo, fruto de “parentesco distante”. Um dos temas tratados com “Angorá”, segundo o delator, foi uma “demanda da Odebrecht para que fosse mantido o modelo de concessões de aeroportos, que inibia o monopólio”. Na sequência, descreve uma série de encontros com ele para tratar de favorecimento à empreiteira em contratos no setor aeroportuário.

Prossegue o delator: “Acredito que há uma interação orquestrada entre ele e Eliseu Padilha para captação de recursos para o seu grupo do PMDB, pois Moreira Franco me solicitou um apoio de contribuição financeira (relatada no Anexo Legislativo n. 4.1), mas transferiu a responsabilidade pelo recebimento do apoio financeiro para Eliseu Padilha”.

À época, Moreira Franco negou qualquer irregularidade: “jamais falei de política ou de recursos para o PMDB com o senhor Claudio Melo Filho”.

PT prepara mandado de segurança contra nomeação
No início da próxima semana, o Partido dos Trabalhadores deve ingressar com um mandado de segurança no STF contra a nomeação de Moreira Franco.

"Em 2016, houve o entendimento de que Lula não poderia assumir a Casa Civil, a nomeação dele seria um abuso de direito, porque o ex-presidente era investigado e citado em algumas gravações. À época, nem sequer era réu", afirmou a CartaCapital o deputado petista Wadih Damous, ex-presidente da Ordem dos Advogados do Rio de Janeiro. "Agora, a situação é bem pior. Temer criou um novo cargo só para livrar o peemedebista, multicitado nas delações, do juízo de Curitiba".

O PSOL também anunciou a intenção de apresentar uma ação ao Supremo. "No ano passado, Lula foi impedido pela Justiça de assumir a Casa Civil. Alegou-se na época que se tratava de obstrução de Justiça, uma vez que seu nome circulava nas investigações. Por coerência, o mesmo deve ocorrer agora com Moreira Franco", afirmou pelas redes sociais Ivan Valente, deputado da legenda. O senador Randolfe Rodrigues também pretende solicitar a anulação da posse do peemedebista à Justiça, por considerá-la um "artificio ilícito e uma ofensa ao princípio da moralidade".

Atual titular da Casa Civil, Eliseu Padilha nega que a decisão seja para conferir ao colega foro privilegiado. "Moreira Franco era ministro de fato, agindo como se ministro fosse”, afirmou à Rádio CBN nesta sexta-feira 3. Segundo Padilha, o novo posto, com status de ministério, facilita o trânsito do governo Temer no exterior para captar investimentos.

Outras mudanças ministeriais

Além da Secretaria Geral, Temer recriou o Ministério dos Direitos Humanos. Até maio do ano passado, quando foi extinta pelo próprio peemedebista, a pasta se chamava Secretaria de Direitos Humanos. A titular será Luislinda Valois, filiada ao PSDB e que exercia o cargo de secretária de Políticas de Promoção da Igualdade Racial.

Em meio ao caos no sistema penitenciário, Temer alterou o nome da pasta da Justiça, que passou a se chamar Ministério da Justiça e da Segurança Pública e ganhou novas atribuições. Por fim, nomeou o deputado federal Antonio Imbassahy (PSDB-BA) para a Secretaria de Governo. O nome do tucano já vinha sendo especulado pela mídia desde o ano passado. O cargo estava vago desde novembro com a renúncia de Geddel Vieira Lima, após o o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero denunciar que o peemedebista o pressionou para liberar a construção de um edifício de alto padrão em Salvador.

Com a criação dos dois novos ministérios, o governo passa a contar com 28 pastas, apenas três a menos desde que Temer assumiu a Presidência, com a saída de Dilma.

A despeito do crescimento da máquina estatal e da garantia de foro privilegiado a um dos alvos da Lava Jato, as panelas permanecem silentes. Assim como o ministro Gilmar Mendes, do STF, tão ágil para impedir a posse de Lula como ministro da Casa Civil em março de 2016, quando vislumbrou na decisão um “desvio de finalidade”, com o objetivo de beneficiar o ex-presidente nas investigações da Lava Jato.

* Com informações da agência Deutsche Welle.

http://www.cartacapital.com.br/politica/temer-garante-foro-privilegiado-a-moreira-franco-o-201cangora201d-da-odebrecht
←  Anterior Proxima  → Inicio

FanPage do Pacatuba Em Foco

Mais Acessadas

APEOC

SERIPAN

SOARTE

RADIOSNET

Total de Transeuntes