Centrais e juristas condenam reforma trabalhista de Temer ~ Pacatuba Em Foco
Tecnologia do Blogger.

APEOC

Postagens Populares

Sample Text

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation test link ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate another link velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur.

Arquivo do blog

Categories

Definition List

Definition list
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.
Lorem ipsum dolor sit amet
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Pages

Support

Need our help to upload or customize this blogger template? Contact me with details about the theme customization you need.

Ordered List

  1. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  2. Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  3. Vestibulum auctor dapibus neque.

Unordered List

  • Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  • Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  • Vestibulum auctor dapibus neque.

Futebol Ao Vivo

Futebol Ao Vivo

Participe pelo Whatsapp 85 988 621 206

Centrais e juristas condenam reforma trabalhista de Temer



Segundo centrais, proposta que possibilita ampliação da jornada para até 12 horas não foi discutida com os trabalhadores; reportagem aponta intervenção dos empresários

As centrais sindicais se manifestaram contra a proposta de reforma trabalhista apresentada na quinta-feira (22) pelo governo do golpista Michel Temer (PMDB). Na reforma, Temer amplia a jornada de trabalho para até 12 horas diárias e possibilita que negociações entre patrões e empregados tenham prevalência sobre a CLT.

Para a Central Única dos Trabalhadores (CUT), o projeto é ineficaz, inoportuno e autoritário. Segundo o presidente da CUT, Vagner Freitas, a central não foi chamada para discutir o projeto, que partiu de forma unilateral. “Ao contrário do que disse o governo Temer, a CUT não foi chamada em momento algum para negociar mudanças na legislação trabalhista. A CUT é contra toda e qualquer retirada de direito da classe trabalhadora e lutará para que isso não aconteça. Não vendemos direitos dos trabalhadores.”

A Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) também afirmou que não foi chamada para discutir o projeto. Segundo a central, Temer tenta restaurar o projeto de reforma trabalhista do governo de Fernando Henrique Cardoso, arquivado em 2003 pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Trata-se de uma séria ameaça contra direitos trabalhistas fundamentais, conquistados ao longo de séculos de luta, como a restrição da jornada de trabalho diária a 8 horas e férias de 30 dias, entre outros”, escreveu a central.

Para Freitas, o pacote é ineficaz porque não resolve a grave situação política, econômica e institucional que o país atravessa. “Além de não atacar a estagnação econômica, a crise da indústria e o desemprego que atinge milhões de famílias, não propõe a criação de empregos. É típico de um governo sem nenhuma credibilidade, que está com popularidade semelhante à de (Fernando) Collor quando assumiu a presidência, confiscando a poupança dos trabalhadores”, criticou.

Segundo reportagem do jornal “Valor Econômico”, Temer passou o texto nas mãos do empresariado para modificações antes de apresentá-lo. De última hora, os empresários garantiram o retrocesso nos poucos itens que poderiam beneficiar os trabalhadores, segundo o jornal.

Além da ampliação da jornada para até 12 horas diárias e da prevalência do negociado sobre o legislado, a reforma vai instituir o almoço de apenas 30 minutos, o fatiamento das férias e a extensão do contrário temporário sem benefícios trabalhistas. Segundo o Valor, a proposta inicial previa que esses contratos parciais fossem limitados a 10% dos quadros dos funcionários, mas esse ponto foi retirado do projeto pelos empresários.

“O método só comprova o modus operandi de um governo ilegítimo, que não foi eleito e não tem preocupação com as relações sociais, nem com a opinião da sociedade, que demonstra a falta de compromisso dos golpistas com o povo, com a classe trabalhadora. Ao tomar essa decisão, o governo do golpista e ilegítimo de Temer demonstra mais uma vez o desrespeito para com a representação e a negociação de temas extremamente importantes para toda a sociedade”, afirmou o presidente da CUT.

Freitas refutou o argumento do governo, do empresariado e da mídia corporativa de que a flexibilização das leis trabalhistas são necessárias para a criação de mais empregos. “Trata-se de medidas que atendem apenas a interesses do empresariado. Em vez de criar empregos, leis frouxas têm a finalidade de enfraquecer os direitos dos trabalhadores e os sindicatos, aumentando a precarização do trabalho e o lucro. Serão criados os chamados empregos intermitentes, em que o trabalhador ficará à disposição do empregador e só receberá e terá benefícios calculados sobre o período trabalhado”.

Freitas lembrou de países que adotaram medidas semelhantes, como Chile e México, sem, no entanto, conseguir criar bons empregos e obter bons resultados para a economia. Ao contrário, o presidente da CUT defendeu a criação de empregos de qualidade, o fortalecimento das entidades sindicais, com maior participação e fiscalização dos trabalhadores, inclusive sobre questões relativas ao financiamento da atividade sindical, como o fim do imposto sindical, uma estrutura falida, segundo ele. “Não há democracia sem sindicato forte, que traz benefícios para todos.”
Juristas

Ao jornal “Brasil de Fato”, o juiz Jorge Luiz Souto Maior afirmou que a jornada de 12 horas não é algo que pode ser legitimado. “Jornada de trabalho de 12 horas deveria ser uma coisa que assustasse todo mundo, sobretudo, por conta de seus problemas jurídicos, sociais e econômicos. Não é algo que deve ser autorizado e legitimado dessa forma aberta, como se fosse normal. Adota-se um parâmetro de que ‘se acontece indevidamente, sem respeito à Constituição, vamos legalizar essa prática'”, diz o jurista.

Jornada de trabalho de 12 horas deveria ser uma coisa que assustasse todo mundo, sobretudo, por conta de seus problemas jurídicos, sociais e econômicos.
Segundo o juiz, além de reduzir a contratação, já que permite que uma pessoa ocupe a função de duas, também reduz a produtividade e aumenta riscos de acidentes, por exemplo.

Também ao jornal, Renan Kalil, procurador do trabalho de São Paulo, afirma que o negociado sobre o legislado vai fragilizar ainda mais o trabalhador, pois a correlação de forças entre empregado e empregador no Brasil hoje já é desigual.

“O direito do trabalho nunca estabeleceu a impossibilidade de uma negociação coletiva superar as previsões legais, desde que, essas negociações sobressaíssem, do ponto de vista da proteção jurídica dos trabalhadores, aquilo que já estava previsto em lei. A lei é a forma mínima de relação entre o capital e o trabalho, e a negociação coletiva é um instrumento válido para melhorar as condições de vida, sociais e econômicas dos trabalhadores, e não reduzir. O que se quer com essa reforma não é ampliar as possibilidades de negociação, mas diminuir as garantias mínimas”, acrescenta Souto Maior.

“Essas mudanças são, pura e simplesmente, uma demonstração do governo de que está cumprindo a aliança que tinha com o setor econômico. Do ponto de vista da empregabilidade, do ponto de vista da economia, não há nada que se possa argumentar [positivamente]”, diz o juiz.

←  Anterior Proxima  → Inicio

FanPage do Pacatuba Em Foco

Mais Acessadas

APEOC

SOARTE

RADIOSNET