Prisão na Espanha é chave para desvendar as remessas da Odebrecht a políticos; seria este o motivo da pressa em anistiar o caixa dois? ~ Pacatuba Em Foco
Tecnologia do Blogger.

APEOC

Postagens Populares

Sample Text

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation test link ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate another link velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur.

Arquivo do blog

Categories

Definition List

Definition list
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.
Lorem ipsum dolor sit amet
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Pages

Support

Need our help to upload or customize this blogger template? Contact me with details about the theme customization you need.

Ordered List

  1. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  2. Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  3. Vestibulum auctor dapibus neque.

Unordered List

  • Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  • Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  • Vestibulum auctor dapibus neque.

Futebol Ao Vivo

Futebol Ao Vivo

Participe pelo Whatsapp 85 988 621 206

Prisão na Espanha é chave para desvendar as remessas da Odebrecht a políticos; seria este o motivo da pressa em anistiar o caixa dois?


Advogado alvo da Lava Jato é preso na Espanha

Procurado pela Interpol, Rodrigo Tacla Duran foi preso em Madri.
 Ele seria operador de offshores criadas pelo ‘setor de propina’ da Odebrecht.

Do G1, em São Paulo, pauta sugerida por Rubem Ribeiro Jr.

Alvo da Operação Lava Jato, o advogado Rodrigo Tacla Duran foi preso em Madri, na Espanha, no começo da noite desta sexta-feira (18), por policiais espanhóis.

Rodrigo Tacla Duran é suspeito de ser um dos operadores das offshores criadas pelo ‘departamento de propina da Odebrecht’, que teria recebido R$ 36 milhões de empreiteiras investigadas na Lava Jato, entre elas, a UTC e Mendes Júnior.

Duran estava nos Estados Unidos, de onde partiu em voo comercial na terça (15), para Espanha.

O advogado era considerado foragido da Justiça Brasileira e figurava entre os procurados pela Interpol.

No último dia 10 de novembro, o juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato na 1ª instância, decretou o bloqueio de até R$ 20 milhões de Rodrigo Tacla Duran, um dos alvos da 36ª fase da operação.

Existe um mandado de prisão preventiva contra o advogado que não foi cumprido, segundo a Polícia Federal (PF), porque ele está no exterior.

“Não importa se tais valores, nas contas bancárias, foram misturados com valores de procedência lícita. O sequestro e confisco podem atingir tais ativos até o montante dos ganhos ilícitos”, afirmou Moro.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), ele é suspeito de ter trabalhado por anos no setor de propinas da Odebrecht e de ter operado pelo menos 12 contas no exterior.

Ainda conforme as investigações, Duran e o lobista Adir Assad – também alvo desta mais recente fase – foram responsáveis por “lavar” R$ 50 milhões de recursos ilícitos de empresas investigadas na Lava Jato.

“Valores das contas secretas da Odebrecht mantidas no exterior eram repassadas sucessivamente para as contas secretas no exterior de Rodrigo Tacla Duran e que, por sua vez, providenciava a disponibilização do equivalente em reais no Brasil”, afirmou Moro.

Ainda de acordo com o juiz, o dinheiro em espécie era utilizado para realizar pagamentos ilegais para agentes públicos.

“O quadro indica, em cognição sumária, que Rodrigo Tacla Duran seria, assim como Adir Assad, um profissional da lavagem de dinheiro, envolvido em diversos esquemas criminosos. Teria recebido, nas contas de suas empresas e ainda em contas secretas no exterior, valores de três empreiteiras envolvidas: Mendes Júnior, UTC e Odebrecht”.

Adir Assad está preso na PF, em Curitiba. Ele já foi condenado na Lava Jato por crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa a penas de nove anos e dez meses de reclusão. A mesma medida de confisco não foi adotada em relação a Assad porque isso ocorreu em outra fase.

As suspeitas


Para os investigadores, depois de informações colhidas com delatores e com a quebra dos sigilos bancário e fiscal de Duran e Assad, ficou claro que a dupla participou ativa e continuamente do esquema criminoso envolvendo a Petrobras.

Ainda conforme os investigadores, os operadores usaram contas bancárias no exterior, empresas de fachada e contratos falsos para desviar e lavar dinheiro.

Segundo o MPF, só a UTC e a Mendes Junior repassaram mais de R$ 34 milhões ao operador entre 2011 e 2013. Já os valores relacionados à Odebrecht ainda não foram totalmente apurados, conforme o MPF.

PS do Viomundo: Tacla Duran tem dupla cidadania. Brasileiro e espanhol. Por que um advogado que sabe estar sob investigação deixa os Estados Unidos e viaja para a Espanha, correndo o risco de ser preso?

Será que contava em não ser extraditado, por isso viajou para a Espanha?

Se vier para o Brasil, poderá contar tudo. Quais eram as contas, as empresas-fantasma, como eram feitas as transferências, quem eram os beneficiários…

Seria este o motivo da pressa em anistiar o caixa 2? Anistiar o caixa 2 antes que se saiba exatamente como a Odebrecht repassou R$ 23 milhões ao senador e chanceler José Serra? Ou ao menos R$ 500 mil ao governador paulista Geraldo Alckmin?

Se Tacla Duran, como se especula, trabalhava eminentemente para os tucanos… se isso se confirmar está entendida a pressa.

É preciso ficar de olho, agora, na atuação da chancelaria brasileira, que certamente vai se esforçar tremendamente para trazer Tacla Duran de volta.

Sobre a anistia que Temer vai sancionar, beneficiando ministros de Temer, vai na mesma linha do comportamento em relação a Geddel. É a Operação Estancar Sangria.

←  Anterior Proxima  → Inicio

FanPage do Pacatuba Em Foco

Mais Acessadas

APEOC

SOARTE

RADIOSNET