A importância do (re)conhecimento do negro e do seu gradiente de Cor ~ Pacatuba Em Foco
Tecnologia do Blogger.

APEOC

Postagens Populares

Sample Text

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation test link ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate another link velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur.

Arquivo do blog

Categories

Definition List

Definition list
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.
Lorem ipsum dolor sit amet
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Pages

Support

Need our help to upload or customize this blogger template? Contact me with details about the theme customization you need.

Ordered List

  1. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  2. Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  3. Vestibulum auctor dapibus neque.

Unordered List

  • Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  • Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  • Vestibulum auctor dapibus neque.

Futebol Ao Vivo

Futebol Ao Vivo

Participe pelo Whatsapp 85 988 621 206

A importância do (re)conhecimento do negro e do seu gradiente de Cor

Antes da Cor é preciso o (re)conhecimento da Pele, das origens, história, ancestralidade, das raízes... significa ir além da Cor da Pele.


Por Marcela Bonfim

A Cor negra dos escravizados, desde o século XVI, vem sendo usada para delimitar espaços e papéis na sociedade brasileira. Sendo a Cor um fenômeno histórico, fruto da criação social, instrumento determinante quase sempre da “superioridade” ou “inferioridade”, muito utilizado em projetos autoritários de Poder, a pele negra passou a ser um conceito de inferioridade na sociedade. No Brasil essa inferiorização garantiu por mais de trezentos anos de escravidão a quase total desumanização do negro, condicionando-o a um mero fator de produção.

A invenção da Cor passou a ser o primeiro encontro do negro com ele mesmo. Do negro com o branco. Do negro com o escravagista. Do negro com os padrões estéticos. Do negro com seus papéis de negro - seja na novela ou nos porões dos navios negreiros - plasmados pela história. A Cor foi e ainda é o encontro mais explícito do negro com seus papéis na sociedade.

Foto: Amazônia Negra

Os efeitos desse processo histórico - de hierarquização - baseado em critérios físicos, provocou ambiguidades e injustiças, além da permanente delimitação dos espaços socialmente representados por “Casas grandes & Senzalas” - até os dias atuais. Desde então, a imagem negativa do corpo negro tem se sobreposto à sua personalidade e, consequentemente, negado o seu direito à liberdade de ser humano ao nascer, crescer e envelhecer.

Por conta dos padrões escravagistas impostos à Cor, desde o século XVI até a contemporaneidade, em movimentos descontínuos, esses sujeitos racializados estão presos às condições de subalternização, ao mesmo tempo em que têm garantido privilégios à branquitude.

Foto: Amazônia Negra

Se a história do Brasil nos ensinou a apreciar o café, nos ensinou também a rejeitar as mãos da colheita e do preparo da bebida que tornou o país num Estado industrial. Antes disso, a mão negra transformou o Brasil em um país.Toda a potência que a imagem nos fornece como belo e seguro, nos distancia da Cor escura.

Foto: Amazônia Negra

A hegemonia da brancura foi estabelecida como padrão desde a alfabetização dos brasileiros até as mais diversas faixas salariais do mercado de trabalho no Brasil. A destruição da imagem do negro foi tanta que crianças já crescem julgando o bom e o mau pela Cor - inclusive quando se trata de seres humanos. Subjetivamente, essa história também é apresentada a elas como um modelo, a partir do qual passam a apreender os conceitos de Cor de forma seletiva e hierarquizada.

Foto: Amazônia Negra

Assim a sociedade vem se desenvolvendo - em meio aos estigmas da imagem, com mais de 70% da população brasileira dividida entre entre pretos e pardos (autodeclarados por um mero fator de Cor) - e vivenciando um processo complexo de assunção e negação. Tudo isso por conta da maior estratégia institucional de auto-embranquecimento da população negra brasileira - chancelando o segundo processo de embranquecimento do Brasil.

Deixando de lado a história, o próprio DNA, isto é, a humanidade da pele. Isto é, a identidade dos povos negros no Brasil suplantada pelo estabelecimento de padrões embranquecidos de beleza - acentuados a partir do primeiro processo de embranquecimento com o início dos fluxos imigratórios do período pós abolição - que teve em seus desdobramentos a vitimização e marginalização do negro no campo da autoestima, do desenvolvimento e inserção social no Brasil.

Foto: Amazônia Negra

Na dinâmica: o branco se configurou como sendo do bem. O preto do mal. O vermelho da menina. O azul do menino... O negro - somente - Cor. O pardo, antes negro, outra Cor. E o gradiente de Cores da pele negra - fruto da miscigenação - reduzido a um padrão social e limitado “de Cor”.

Foto: Amazônia Negra

Falar do negro e do seu gradiente de Cor é referir-se a uma infinidade de tonalidades de Pele dentro de uma genética negra - que também compreende a miscigenação. É perceber e respeitar a identidade do negro, para além das considerações visuais. E sim pela suas raízes (i)migratórias. Uma vez que, dentro do contexto da negritude, existem n povos, todos vindos de diversas localidades, além das experiências com outras miscigenações.

Foto: Amazônia Negra

As diferenças da pele não podem ser reduzidas a uma mera categoria de Cor. Ainda mais dentro desse infinito gradiente que é a negritude brasileira. Antes da Cor é preciso o (re)conhecimento da Pele, das origens, história, ancestralidade, das raízes... significa ir além da Cor da Pele. Significa discutir o DNA, a história, a trajetória, os diversos territórios de onde os negros vieram, para onde ele foi, e pra onde ele ainda vai, deixando como registro o seu maior símbolo de resistência: a Cor e seu infinito gradiente.

* Marcela Bonfim é fotógrafa ativista pela causa das populações negras e tradicionais. É idealizadora do projeto “(Re)conhecendo a Amazônia Negra: povos, costumes e influências negras na floresta”, projeto de fotografia no campo da antropologia visual - sobre a memória e o legado das populações negras amazônicas. Este artigo é parte do primeiro desdobramento do projeto (Gradiente Negro: da Pele à Cor).Mais informações: www.amazonianegra.com

Foto: Amazônia Negra

←  Anterior Proxima  → Inicio

FanPage do Pacatuba Em Foco

Mais Acessadas

APEOC

SERIPAN

RADIOSNET