Professora comete suicídio após perda de salário; docente deixou carta ~ Pacatuba Em Foco
Tecnologia do Blogger.

APEOC

Postagens Populares

Sample Text

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation test link ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate another link velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur.

Arquivo do blog

Categories

Definition List

Definition list
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.
Lorem ipsum dolor sit amet
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Pages

Support

Need our help to upload or customize this blogger template? Contact me with details about the theme customization you need.

Ordered List

  1. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  2. Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  3. Vestibulum auctor dapibus neque.

Unordered List

  • Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  • Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  • Vestibulum auctor dapibus neque.

Futebol Ao Vivo

Futebol Ao Vivo

Participe pelo Whatsapp 85 988 621 206

Professora comete suicídio após perda de salário; docente deixou carta

Professora escreve carta e comete suicídio após perseguições e congelamento de salário. Sindicato da categoria afirma que Jucélia Almeida foi vítima de um cenário infernal. Irmã da docente desabafa: "O estado assassinou a minha irmã!"


Uma professora de Aracaju (SE) cometeu suicídio no último domingo (3) em um caso que chocou todo o estado de Sergipe. Jucélia Almeida, 45 anos, lecionava na rede estadual e foi encontrada em seu apartamento. Antes de tirar a própria vida, ela deixou uma carta relatando os problemas que enfrentou durante um ano.

Em entrevista para a mídia de Sergipe, a irmã de Jucélia afirma que ela morreu por causa do desdém e da negligência do Estado. Após meses sem receber salário, a professora chegou a desenvolver diversos problemas de saúde.

“Desde o mês de março minha irmã estava de licença médica, com laudo da perícia; ela estava debilitada e foi cuidar da saúde. Sofria com frequência assédio moral por parte da diretora da escola em que trabalhava”, relata Gilzete, irmã de Jucélia, que classifica ainda a diretora da instituição de ensino como ‘desumana’.

“Quando a minha irmã tentou receber o salário do mês de março, o dinheiro estava bloqueado. Ela procurou ajuda em várias entidades, mas ninguém a ouviu. O Estado matou a minha irmã. Quando digo estado, falo das pessoas […] foram desumanos com ela; não cumpriram a lei e foram ilegais. A deixaram num calvário em busca do salário; ela já sofria de depressão e estava com baixa autoestima”, afirmou Gilzete.

Gilzete disse também que a irmã passou por necessidades. “Dei sustentação financeira e emocional a ela e a impedi de se suicidar outras vezes. É muito triste, ela deixou uma filha única, universitária, de 21 anos, que vai precisar de ajuda”, lamentou.
Memória

Nesta quarta-feira (6), professores e professoras fizeram um ato em solidariedade a família de Jucélia Almeida e em repúdio a política de perseguição e coerção implantadas pela Secretaria de Estado da Educação.
O calvário de Jucélia

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado de Sergipe (Sintese) divulgou uma carta aberta em que detalha toda a trajetória e o sofrimento de Jucélia até chegar ao ponto de tirar a própria a vida. Leia abaixo.

A triste história da professora Jucélia tem início quando a retiram da coordenação de Escola Estadual José Rollemberg Leite. Como professora licenciada de história, Jucélia volta para a sala de aula, no Centro de Estudos Supletivos Professor Severino Uchôa, e logo de cara tem um direito negado. Mesmo estando em atividade efetiva de sala de aula, a professora Jucélia Almeida não recebe a gratificação por regência. Então sua peregrinação e calvário em busca de seus direitos começam.

Idas a Diretoria de Educação de Aracaju, e a Secretaria de Estado de Educação para tentar solucionar o problema tornaram-se rotineiras, mas nada era resolvido. O sentimento de impotência somado a queda de sua remuneração fizeram com que Jucélia Almeida desenvolvesse depressão e doenças cardiovasculares.

Com as doenças, a professora Jucélia Almeida precisava de tratamento, ia ao médico e levava o atestado para o seu local de trabalho, o Centro de Estudos Supletivos Professor Severino Uchôa. No entanto, a diretora da unidade de ensino, Jeane Carla Góes, ignorava os atestados médicos da professora e cortava seu dia de trabalho, mesmo Jucélia estando respaldada pelo atestado de um médico especialista.

A Perícia Médica do Estado se recusava a conceder licença à professora Jucélia Almeida, mesmo ela tendo laudos médicos que comprovavam o seu debilitado estado de saúde física e mental. A licença só foi conseguida após a professora Jucélia e sua irmã, Gilzete Almeida, procurarem o SINTESE para denunciar a situação. Após a intervenção do SINTESE a professora Jucélia conseguiu ficar de licença por 60 dias. E é neste momento que a parte mais absurda da história acontece.

Mesmo estando assegurada pela licença média, a professora Jucélia ficou sem receber salário durante os 60 dias que esteve afastada. Ou seja, dois meses sem que um real entrasse em sua conta. Por diversas vezes peregrinou entre a DEA e a Secretaria de Estado da Educação, mas tudo que recebeu foi o descaso e o destrato daqueles que deveriam assegurar seus direitos.

Com o fim da licença médica, em junho deste ano, a professora Jucélia retorna a sala de aula. Com o findar do mês ela esperava que seu salário fosse normalmente depositado em sua conta, mas não foi isso que ocorreu. Mas uma vez a professora não recebeu seu salário, acumulando assim três meses sem salário. Durante este período a professora foi sustentada com a ajuda da família.

Cansada e humilhada, a professora Júcélia Almeida, mais uma vez foi até a SEED e novamente escutou a mesma desculpa, de que por questões técnicas seu salário não havia saído. Três meses ouvindo a mesma ladainha. Júcelia não aguentou, gritou, esbravejou e disse em alto e bom som para que todos da SEED pudessem ouvir que ela iria se matar.

Em um ato desesperado, sem perspectivas, a professora Jucélia Almeida, cumpriu o que havia dito. Na sexta-feira, 1, ela tirou sua vida.
 
←  Anterior Proxima  → Inicio

FanPage do Pacatuba Em Foco

Mais Acessadas

APEOC

SERIPAN

SOARTE

RADIOSNET

Total de Transeuntes