Além da crise, também a doença “é psicológica” para o Governo Temer ~ Pacatuba Em Foco
Tecnologia do Blogger.

APEOC

Postagens Populares

Sample Text

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation test link ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate another link velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur.

Arquivo do blog

Categories

Definition List

Definition list
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.
Lorem ipsum dolor sit amet
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Pages

Support

Need our help to upload or customize this blogger template? Contact me with details about the theme customization you need.

Ordered List

  1. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  2. Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  3. Vestibulum auctor dapibus neque.

Unordered List

  • Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  • Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  • Vestibulum auctor dapibus neque.

Futebol Ao Vivo

Futebol Ao Vivo

Participe pelo Whatsapp 85 988 621 206

Além da crise, também a doença “é psicológica” para o Governo Temer


O amigo aí curte ser espetado para tirar sangue para um hemograma?

A cara amiga se amarra em entrar no tubo de um tomógrafo? Vai dizer que não gosta daquela cápsula e daqueles rangidos de filme de abdução extra-terrestre?

E um cateterismo de investigação, daqueles com bastante iodo para contraste, não é legal?

Nem um Raio-Xzinho com aquela chapa de metal fria e aquela luz mortiça com a marca de alvo de bala perdida?

Pois é o que o Sr. Ricardo Barros, Ministro da Saúde de Temer, acha.

Porque diz que “é ‘cultura do brasileiro’ só achar que foi bem atendido quando passa por exames ou recebe prescrição de medicamentos, e esse suposto ‘hábito’ estaria levando a gastos desnecessários no SUS (Sistema Único de Saúde)”.

O ministro, que já havia proposto “planos de saúde populares”, com pequena cobertura para permitir custos mais baixos às operadoras, com a redução na lista de exames e procedimentos cobertos.

Sem problemas, na visão do ministro, porque, afinal, os exames são uma espécie de placebo, de efeito meramente psicológico.

O ministro é, literalmente, um ignorante.

A cultura do exame desnecessário ou realizado antes de outros procedimentos diagnósticos não é do paciente, mas da própria medicina privada. A preventiva ou de atendimento primário é essencialmente do sistema público de saúde.

Quando um exame de maior complexidade é solicitado, o infeliz ainda leva um bom tempo para marcar e dificilmente deixa de buscar os resultados daquilo que lhe consumiu esforço e tempo para fazer.

Ter resultado negativo em um exame não é desperdício, mas recurso da investigação clínica: um quadro viral muitas vezes só pode ser estabelecido se um hemograma descartar uma situação de infecção, um lipoma requer, muitas vezes, uma ressonância magnética para que se elimine a eventualidade de um tumor e assim por diante.

A história de que quer reduzir os exames clínicos é, portanto, alguma “assoprada” que recebeu dos planos e jogou em cima do SUS.

E isso o faz pior que um ignorante, cujo pecado é apenas não saber.

O faz cúmplice de quem quer ganhar muito dinheiro afirmando genericamente que “se faz exames e dá medicamentos que não são necessários só para satisfazer as pessoas”.

Isso pode até acontecer na medicina privada, por não se querer “perder o cliente”. Na rede pública, o profissional não tem “cliente”.

Tem paciente e nenhuma razão para ele “virar freguês”.
 
←  Anterior Proxima  → Inicio

FanPage do Pacatuba Em Foco

Mais Acessadas

APEOC

SOARTE

RADIOSNET