Os truques da mídia para ludibriar o público na questão das delações ~ Pacatuba Em Foco
Tecnologia do Blogger.

APEOC

Postagens Populares

Sample Text

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation test link ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate another link velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur.

Arquivo do blog

Categories

Definition List

Definition list
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.
Lorem ipsum dolor sit amet
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Pages

Support

Need our help to upload or customize this blogger template? Contact me with details about the theme customization you need.

Ordered List

  1. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  2. Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  3. Vestibulum auctor dapibus neque.

Unordered List

  • Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  • Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  • Vestibulum auctor dapibus neque.

Futebol Ao Vivo

Futebol Ao Vivo

Participe pelo Whatsapp 85 988 621 206

Os truques da mídia para ludibriar o público na questão das delações

Por Paulo Nogueira

Os truques da mídia para ludibriar o público ingênuo na questão das delações premiadas são patéticos.

Você tem que ser um completo analfabeto político para engolir a manipulação.

É assim.

Se o citado na delação é o Aécio, por exemplo, a imprensa toma todos os cuidados. Tudo vai na condicional.

Fulano alegou, afirmou etc etc.

Segundo o delator etc etc.

O desmentido aparece com destaque.

Rapidamente a delação desaparece do noticiário. Muitas vezes não fica sequer um dia. Isso não se altera nem quando o citado aparece, como Aécio, em três diferentes delações.

Agora. Quando os personagens mencionados na delação são os inimigos, os métodos são outros.

Todas as condicionais do bom jornalismo são abandonadas.

O delator não “afirma”: “revela”. “Confirma”. Onde havia dúvida, aparece a certeza.

É o caso da alegada delação de Delcídio. Lula e Dilma estão nela? É uma  festa.

O diretor de novas mídias da Globo, Erick Bretas, representa à perfeição este estado de espírito.

No Facebook, em plena maternidade, onde sua mulher estava dando à luz, ele postou o seguinte. “Na maternidade vejo a notícia de que Delcídio delatou Dilma e Lula. Que Dilma nomeou ministros do STJ para barrar as investigações da Lava Jato e que Lula comandava a corrupção na Petrobras. Nossos filhos não merecem um país assim. Dilma tem que cair e Lula tem que ser preso.”

Para escrever algo assim, Bretas tem que estar certo de que a Globo aprova. Ele não correria risco de desagradar os patrões.

Você pode avaliar, por aquele post histérico, o ambiente pró-golpe nas redações do Grupo Globo.

Note. Ele conferiu uma estatura de Catão a Delcídio, um homem incapaz de mentir para se safar de alguma enrascada. Deu à IstoÉ o status de uma revista séria, confiável.

E julgou sumariamente Dilma e Lula.

Eu, aqui do meu canto, diria: “Meus filhos não merecem a Globo e nem jornalistas como Bretas.”

Mas o que importa, aqui, é notar a diferença de tratamento nas delações.

Claro que Delcídio vai ficar nas manchetes, no Jornal Nacional, nas primeiras páginas dias, e dias, e dias. Porque, neste noticiário, você joga Lula e Dilma na lama.

Pelo menos para os analfabetos políticos esse truque funciona. A palavra de Delcídio na alegada delação vira verdade absoluta para os que acreditam na honestidade e nos bons propósitos de jornais e revistas.

Se o alvo é Aécio, a sombra e o silêncio, espaços mínimos e o sumiço. Se é Lula e Dilma, o estardalhaço contínuo – e a imediata alusão a impeachment e prisão, como escreveu, em plena maternidade, Erick Bretas.
Não fosse a internet, com o contraponto, a situação estaria perdida, como esteve para Getúlio e para Jango.

Mas a internet, com as redes sociais e sites independentes, é um foco de resistência contra os que tentam, mais uma vez, destruir a democracia, como fizeram em 1054 e em 1964.

Nós, sites independentes e redes sociais, não somos tudo – mas também não somos nada.

Já é alguma coisa.

←  Anterior Proxima  → Inicio

FanPage do Pacatuba Em Foco

Mais Acessadas

APEOC

SOARTE

RADIOSNET