O diretor da Globo para o qual os estudantes de SP estavam brincando de Primavera Árabe. Por Paulo Nogueira ~ Pacatuba Em Foco
Tecnologia do Blogger.

APEOC

Postagens Populares

Sample Text

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation test link ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate another link velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur.

Arquivo do blog

Categories

Definition List

Definition list
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.
Lorem ipsum dolor sit amet
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Pages

Support

Need our help to upload or customize this blogger template? Contact me with details about the theme customization you need.

Ordered List

  1. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  2. Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  3. Vestibulum auctor dapibus neque.

Unordered List

  • Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  • Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  • Vestibulum auctor dapibus neque.

Futebol Ao Vivo

Futebol Ao Vivo

Participe pelo Whatsapp 85 988 621 206

O diretor da Globo para o qual os estudantes de SP estavam brincando de Primavera Árabe. Por Paulo Nogueira

Por Paulo Nogueira

Aconteceu o previsível.

No programa de Fátima Bernardes, uma repórter da Globo foi cobrir os protestos da garotada de São Paulo ao vivo.

Foi um embaraço. Mais um.

Assim que os estudantes viram quem estava ali, começaram a gritar: “O povo não é bobo. Abaixo a Rede Globo.”

O pano teve que descer rapidamente. A Globo transmitiu, ela mesma, o ódio que desperta num público mais politizado, como os estudantes paulistas que ocuparam as escolas.

Não é implicância.

Qual vinha sendo o teor da cobertura da Globo? Bem, você pode ver por uma extraordinária postagem no seu Facebook feita por um dos principais jornalistas da Globo, Erick Bretas.

Bretas ocupa a função absolutamente estratégica de diretor de novas mídias da Globo. Isso significa que compete a ele fazer da Globo uma empresa relevante na mídia do futuro, a internet.

Tão logo anunciada a demissão do secretário da Educação de São Paulo, Bretas endereçou ironicamente parabéns a “vocês que estão achando o máximo o cancelamento da reorganização das escolas de São Paulo”.

Ele louvou o demitido, sabe-se lá com base em que, e fuzilou o movimento dos estudantes. Disse que os alunos estavam brincando de “Primavera Árabe”.

O secretário teria se cansado, segundo Bretas, da “brincadeira”. Fora tudo, há um erro de informação básica: ele foi demitido. Não saiu por “cansaço”. Para coroar, Bretas agrediu a gramática. Escreveu “viva os prepostos das empreiteiras”, em mais um rasgo de civismo obtuso. O certo, claro, é “vivam”.

image

Você tem em Bretas o espírito da Globo. Como Ali Kamel e Merval Pereira, ele reproduz as ideias dos Marinhos. É mais Marinho que um Marinho real.

São estes que fazem carreira na Globo. A Globo se aparelhou no jornalismo. Não há pluralismo. Não há debates de ideias. Há uma série de Bretas nas posições importantes nas várias plataformas da casa, jornalistas como Diego Escosteguy, editor chefe da Época. Escosteguy é o campeão dos furos imbecis, coisas tolas e inúteis e quase sempre inverídicas que ele trata como se fossem réplicas de Watergate.

São representantes da direita oca, na qual há pouca leitura, pouco reflexão, pouca sofisticação — e doses copiosas de reacionarismo entusiasmado.

O futuro digital da Globo repousa nas mãos de um homem precocemente velho, um quase ancião com 40 e poucos anos.

Bretas não captou o espírito do tempo, o Zeitgeist, ao contrário dos jovens paulistanos que ocuparam as escolas e fizeram Alckmin dobrar os joelhos.

A Globo, assim, continuará a ser a mesma Globo de sempre em sua atuação digital. Estará condenada a levar esculachos diante de gente que pensa, ainda que estejamos falando de adolescentes.

O noticiário contaminado da empresa nasce de diretores e editores como Bretas e Escosteguy, que interpretam à sua maneira o que imaginam que os Marinhos queiram ver nos seus jornais, revistas, sites, telejornais, rádios.

Há uma anedota segundo a qual um editor da Globo, ao chegar à empresa, dizia: “Agora vou ler o editorial para descobrir o que eu penso.”

E assim as escolhas são feitas. Alguma simpatia pelos estudantes que defenderam suas escolas de serem fechadas sem nenhuma satisfação do secretário aplaudido por Bretas e, por isso, apanharam de policiais sombrios e violentos?

Zero.

Os estudantes, na visão de Bretas, estavam brincando de “primavera árabe”.

Nem Roberto Marinho era exatamente um filósofo e nem seus três filhos são. Mas perto de Bretas e similares são, todos eles, intelectuais de alto relevo.

http://www.diariodocentrodomundo.com.br/o-diretor-da-globo-para-o-qual-os-estudantes-de-sp-estavam-brincando-de-primavera-arabe-por-paulo-nogueira/

←  Anterior Proxima  → Inicio

FanPage do Pacatuba Em Foco

Mais Acessadas

APEOC

SOARTE

RADIOSNET