Cunha manobra e adia instalação de comissão do pedido de impeachment ~ Pacatuba Em Foco
Tecnologia do Blogger.

APEOC

Postagens Populares

Sample Text

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation test link ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate another link velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur.

Arquivo do blog

Categories

Definition List

Definition list
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.
Lorem ipsum dolor sit amet
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Pages

Support

Need our help to upload or customize this blogger template? Contact me with details about the theme customization you need.

Ordered List

  1. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  2. Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  3. Vestibulum auctor dapibus neque.

Unordered List

  • Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  • Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  • Vestibulum auctor dapibus neque.

Futebol Ao Vivo

Futebol Ao Vivo

Participe pelo Whatsapp 85 988 621 206

Cunha manobra e adia instalação de comissão do pedido de impeachment

Em mais uma manobra, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), resolveu adiar para a tarde desta terça (8) o prazo para a indicação de nomes para a comissão especial que analisará o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). Parlamentares da base do governo criticaram a decisão.

A sessão está prevista para as 14 horas, mas, na previsão de Cunha, a Ordem do Dia só deve começar por volta de 17h30.
Os líderes do governo, José Guimarães (PT-CE); do PCdoB, Jandira Feghalli (RJ); e do PMDB, Leonardo Picciani (RJ), criticaram a decisão do presidente da Câmara que, segundo eles, juntou-se à oposição e quebrou acordo de que a lista de integrantes seria montada por consenso.
Segundo os três líderes, a oposição não concordou com as indicações feitas pela base do governo e quer elaborar uma lista paralela de integrantes. Os adversários do governo e ala oposicionista do PMDB teriam ficado insatisfeitos com as indicações feitas pelo líder peemedebista de pessoas que seriam majoritariamente contrárias ao impeachment.
De acordo com Cunha, no entanto, o adiamento se deve não só porque partidos da oposição articulam a apresentação de uma chapa alternativa para disputar a composição da comissão, mas também por falta de quórum nesta segunda-feira. Segundo Cunha, uma nova chapa obrigaria a Câmara a providenciar cabines e uma nova estrutura para a votação.
José Guimarães disse que os partidos da base vão discutir hoje possíveis medidas jurídicas e políticas para serem tomadas. “Eles querem compor maioria sem ter maioria. Não aceitamos esse tipo de manobra”, afirmou.

Quebra de acordo

Jandira Feghali criticou Cunha por adiar a sessão. Segundo ela, essa decisão quebra o acordo sobre as indicações, que deveriam ser consensuais. Para ela, o adiamento visa dar mais prazo para a oposição formar a “chapa avulsa” – paralela às indicações dos líderes dos partidos para que deputados pemedebistas anti-Dilma possam integrar a Comissão.
A parlamentar também avaliou que o adiamento poderia atrapalhar a votação da representação contra o presidente da Câmara no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar, também marcada para amanhã à tarde. A Comissão de Ética tentará, pela terceira vez, votar o relatório que pede a cassação do mandato de Cunha. Há três semanas, aliados do presidente da Câmara conseguem protelar a análise do relatório no colegiado por meio de manobras.
Leonardo Picciani também criticou o adiamento. “Nós começamos de forma ruim. O acordo era a definição de uma chapa única, mas parte da oposição voltou atrás. O ideal é que haja previsibilidade. O PMDB vai manter os nomes”, declarou.
Segundo Picciani, a possível lista paralela de integrantes a ser anunciada pela oposição pode inviabilizar a instalação da comissão especial sobre o impeachment. “Essa manobra tem consequências mais graves. Pode fazer com que a comissão não se instale. Pode ser que uma chapa seja eleita e, depois, indefinidamente, recuse as indicações da outra chapa.”
"Isso arrebenta com qualquer possibilidade de relação aqui dentro. É inaceitável. Não é mínimo do campo democrático. O processo já começa supercontaminado. Acho que tem o dedo dos tucanos para criar problema", afirmou o líder do PT, Sibá Machado. "Tem uma guerra e vamos para ela do jeito que ela vier".
De acordo com o Valor Econômico, Rede e PSOL também discordaram da decisão do presidente da Câmara. O prazo para indicações de representantes, que já havia sido adiado das 14h para as 18h de hoje
"Golpe em cima do golpe"
A deputada federal Luciana Santos (PE), presidenta nacional do PCdoB, disse ao Vermelho que, além de não ter autoridade moral para comandar um pedido de impeachment, o presidente da Câmara agora promove mais uma manobra, “porque percebeu que a correlação de forças é favorável ao governo”.
Classificando a medida como “um acinte”, ela informou que a bancada governista terá que “exercitar os argumentos regimentais” para impedir que haja o que ela chamou de “uma tentativa de dar um golpe em cima do golpe”.

Segundo ela, Eduardo Cunha age para tentar criar um ambiente que seja favorável à oposição. “E ainda tem a intenção de, no bojo de tudo isso, querer livrar a cara dele no Conselho de Ética”, opinou.
"Sem limites"

Para o também deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP), vice-líder do governo, Cunha tenta atropelar os partidos. “O presidente da Câmara Eduardo Cunha perdeu completamente o limite. Não é razoável que ele queira impor a sua vontade. Ele não pode se juntar com a oposição e impor uma comissão. Ele não pode querer impor, junto com a oposição, quem é a comissão especial que vai avaliar um processo tão sério quanto esse”, afirmou.
De acordo com Orlando, a permissão dada por Cunha para a indicação de chapas avulsas, alternativas às oficiais das bancadas, para integrar a comissão, é um mecanismo criado para que as dissidências dos partidos da base se juntem à oposição e imponham uma correlação de forças que, na sua opinião, é “artificial”.
“A democracia da Casa sempre se pautou pelo respeito aos partidos, e pelo respeito aos líderes partidários. Essa é a tradição da Casa. Você não pode atropelar os partidos. Eu considero que o presidente Cunha passou de todos os limites. Mostrou que não tem a menor condição de seguir presidente da Casa”, disse.

http://www.vermelho.org.br/noticia/273829-1

←  Anterior Proxima  → Inicio

FanPage do Pacatuba Em Foco

Mais Acessadas

APEOC

SOARTE

RADIOSNET