Número de pessoas que não confiam na imprensa é quase o dobro das que confiam ~ Pacatuba Em Foco
Tecnologia do Blogger.

APEOC

Postagens Populares

Sample Text

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation test link ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate another link velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur.

Arquivo do blog

Categories

Definition List

Definition list
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.
Lorem ipsum dolor sit amet
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Pages

Support

Need our help to upload or customize this blogger template? Contact me with details about the theme customization you need.

Ordered List

  1. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  2. Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  3. Vestibulum auctor dapibus neque.

Unordered List

  • Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  • Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  • Vestibulum auctor dapibus neque.

Futebol Ao Vivo

Futebol Ao Vivo

Participe pelo Whatsapp 85 988 621 206

Número de pessoas que não confiam na imprensa é quase o dobro das que confiam

Pesquisa CNT/MDA divulgada nesta terça-feira (21) reafirma o cenário de dificuldade para o governo Dilma Rousseff junto à população. Mas também traz outro dado, este alarmante para a imprensa: apenas 13,2% das pessoas que responderam ao estudo afirmaram que sempre acreditam no que a mídia publica. Quase o dobro disso, 21,2%, disseram que nunca confiam no que é dito pelos jornais.

No ranking da credibilidade, a imprensa vai quase tão mal quanto o governo (que tem a confiança de 1,1%), o Congresso (0,8%) e partidos políticos (0,1%), ocupando o quinto lugar como instituição mais confiável, com a preferência de 4,8% - a margem de erro da pesquisa é de 2,2 pontos para mais ou para menos. Nas primeiras posições da lista estão a polícia (5%), justiça (10,1%), forças armadas (15,5%) e igreja (53,5%).

Confiança nas instituições

Igreja: 43,0% confiam sempre e 11,7% não confiam nunca

Forças Armadas: 19,2% confiam sempre e 17,2% não confiam nunca

Imprensa: 13,2% confiam sempre e 21,2% não confiam nunca

Justiça: 10,5% confiam sempre e 24,8% não confiam nunca

Polícia: 8,9% confiam sempre e 23,5% não confiam nunca

Governo: 2,0% confiam sempre e 56,2% não confiam nunca

Congresso Nacional: 1,6% confia sempre e 51,6% não confiam nunca

Partidos políticos: 1,0% confia sempre e 73,4% não confiam nunca

Ranking das instituição que mais confia:

1º - Igreja (53,5%)

2º - Forças Armadas (15,5%)

3º - Justiça (10,1%)

4º - Polícia (5,0%)

5º - Imprensa (4,8%)

6º - Governo (1,1%)

7º - Congresso Nacional (0,8%)

8º - Partidos políticos (0,1%)

Apesar dos números, os meios tradicionais de comunicação conseguiram massificar a cobertura da Lava Jato, a ponto de 78,3% dos entrevistados afirmarem que estão acompanhando ou já ouviram falar das investigações sobre esquemas na Petrobras. Dentro desse grupo, 69,2% consideram que Dilma é culpada pela corrupção na estatal, e outros 65% acham que o ex-presidente Lula também está envolvido no caso.

Para 40,4%, o maior culpado na Operação Lava Jato é o governo federal, seguido de partidos políticos (34,4%), diretores ou funcionários da empresa (14,2%). As construtoras, que participam do núcleo que admitiu pagar propina para obter contratos vultosos com a Petrobras, são culpadas para apenas 3,5% dos entrevistados.

Entre os que acompanham ou ouviram falar da Lava Jato, 67,1% não acreditam que os envolvidos em corrupção serão punidos. Outros 86,8% consideram que as denúncias são prejudiciais para a economia do país, e 52,5% acham que o governo Dilma não é capaz de combater a corrupção na Petrobras. Nesse cenário, 90,2% pensam que não há exageros em relação às prisões preventivas; 37,3% disseram saber o que é delação premiada e, nesse grupo, 52,8% são a favor do acordo de colaboração.

Mais da metade dos entrevistados (53,4%) avaliam que a corrupção é um dos principais problemas do país. Para 37,1%, o tema está no topo da lista. Já 7,8% consideram que a corrupção é um problema, mas não prioridade.

AVALIAÇÃO DE GOVERNO

O resultado do desgaste da economia, dos episódios de crise com o Congresso e das denúncias de corrupção marteladas diariamente é uma nova baixa na avaliação de governo, que só é positiva para para 7,7% dos entrevistados, contra 70,9% de avaliação negativa. A aprovação do desempenho pessoal da presidente atinge 15,3%, ante 79,9% de desaprovação.

Quando questionados sobre um eventual impeachment de Dilma, 62,8% admitem que são a favor dessa saída e 32,1% são contra. Para os que são favoráveis ao impeachment, 26,8% citaram as chamadas pedaladas fiscais; 25,0%, a corrupção na Petrobras; 14,2%, irregularidades nas contas da campanha em 2014 e 44,6%, os três motivos como justificativa para o impeachment.

Para 60,4%, a crise mais grave enfrentada por Dilma atualmente é a econômica; 36,2% consideram que é a crise política.

A crença de que Dilma não é capaz de lidar com a crise econômica foi detectada entre 84,6% dos entrevistados. Para 61,7%, em três anos ou mais ela conseguirá resolver os impasses necessários à retomada do crescimento. O mesmo índice, 61,5%, acha que o ajuste fiscal não ajuda a economia.

EXPECTATIVA (para os próximos 6 meses)

Emprego: vai melhorar: 15,0%, vai piorar: 55,5%, vai ficar igual: 27,5%.

Renda mensal: vai aumentar: 13,8%, vai diminuir: 33,7%, vai ficar igual: 50,2%.

Saúde: vai melhorar: 13,6%, vai piorar: 47,5%, vai ficar igual: 37,1%.

Educação: vai melhorar: 15,1%, vai piorar: 41,0%, vai ficar igual: 42,1%.

Segurança pública: vai melhorar: 12,9%, vai piorar: 46,2%, vai ficar igual: 39,2%.

CENÁRIO PARA 2018

Sondando o resultado de um possível primeiro turno presidencial entre os candidatos Aécio Neves (PSDB) - que ficou em segundo lugar na última eleição -, Marina Silva (PSB), Lula (PT) e Jair Bolsonaro (PP), a pesquisa CNT/MDA mostra que o tucano sairia na frente com 35,1% das intenções de votos, contra 22,8% de Lula, 15,6% de Marina e 4,6% de Bolsonaro.

Num segundo cenário, com Geraldo Alckmin (PSDB) disputando no lugar de Aécio, o placar seria o seguinte: Lula com 24,9%, seguido de Marina (23,1%), Alckmin (21,5%) e Bolsonaro (5,1%).

No quadro em que Alckmin é substituído pelo senador José Serra, também do PSDB, Lula aparece com 25%, seguido por Marina (23,3%), Serra (21,2%) e Bolsonaro (5,5%).

Na briga do segundo turno presidencial, todos os candidatos do PSDB levam vantagem sobre Lula. Aécio ficaria com 49,6% ante 28,5% do petista; Alckmin com 39,9%, contra 32,3% de Lula. E Serra teria 40,3%, face os 31,8% do ex-presidente.

Atualmente, 44,8% acreditam que se Aécio tivesse vencido a eleição, o governo dele estaria melhor do que o da presidente Dilma. Para 36,5%, estaria igual. E 10,9% consideram que estaria pior.

Foram entrevistadas 2.002 pessoas, em 137 municípios de 25 Unidades Federativas, das cinco regiões. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais com 95% de nível de confiança. A íntegra da pesquisa pode ser acessada aqui.

http://www.fndc.org.br/clipping/numero-de-pessoas-que-nao-confiam-na-imprensa-e-quase-o-dobro-das-que-confiam-942753/

←  Anterior Proxima  → Inicio

FanPage do Pacatuba Em Foco

Mais Acessadas

APEOC

SERIPAN

SOARTE

RADIOSNET