PSTU/Conlutas enterra a greve dos professores que prefeito do PSOL atacou ~ Pacatuba Em Foco
Tecnologia do Blogger.

APEOC

Postagens Populares

Sample Text

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation test link ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate another link velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur.

Arquivo do blog

Categories

Definition List

Definition list
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.
Lorem ipsum dolor sit amet
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Pages

Support

Need our help to upload or customize this blogger template? Contact me with details about the theme customization you need.

Ordered List

  1. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  2. Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  3. Vestibulum auctor dapibus neque.

Unordered List

  • Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  • Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  • Vestibulum auctor dapibus neque.

Futebol Ao Vivo

Futebol Ao Vivo

Participe pelo Whatsapp 85 988 621 206

PSTU/Conlutas enterra a greve dos professores que prefeito do PSOL atacou

Como assinalamos em edições anteriores do Diário Online Causa Operária, a direção da executiva municipal do SINSEPEAP (Sindicato dos Servidores Públicos em Educação no Amapá), controlada pelo PSTU/Conlutas estava pressionando a categoria para que a greve se encerrasse sob os mais diversos motivos, rebaixando a pauta de reivindicações (ou seja, abandonando a defesa das necessidades da categoria). Finalmente, na tarde desta segunda (dia 1o.) seus sindicalistas conseguiram sair “vitoriosos”, pondo fim a uma das maiores e mais combativas greves de professores de Macapá.
Os pretextos para a defesa reacionária do fim da greve iam desde a suposta falta de repasses de recursos financeiros aos professores em greve pela burocracia do sindicato estadual da categoria (majoritariamente do PSOL) - como se isso fosse desculpa para o fim de uma greve sem o atendimento das reivindicações da categoria – até a alegação da mais que previsível “intransigência” por parte do prefeito Clécio Luís, do PSOL, isto é, o PSTU/Conlutas acreditou em todos os momentos da greve que encontraria um patrão “bonzinho” que cederia tudo o que a categoria reivindicasse sem a menor necessidade de luta.
No entanto, a capitulação do PSTU/Conlutas e de membros do comando de greve alinhados à política traidora desse partido foi mais longe, pois na penúltima assembleia da categoria organizada em pleno andamento do ato pelo dia nacional de lutas,  na sexta-feira (29) já defendiam abertamente o fim da mobilização mesmo sem que a categoria tivesse absolutamente nada, mostrando que estavam dispostos a acabarem com a greve sem nenhuma conquista.
De fato, não apenas defendiam abertamente o fim da greve como ainda chegaram a lançar a proposta de aceitar os míseros 4% oferecidos por Clécio, além da antecipação de pagamento de uma das várias progressões devidas por esse prefeito, tal como a ressalva de “manutenção do diálogo” com a prefeitura para “garantir” as reivindicações da categoria na base da conversa fiada e de muita burocracia.
não pararam por aí... O PSTU/Conlutas abandonou completamente a luta nas ruas, rifando para sempre o plano da mobilização da categoria por tempo indeterminado pelo plano reacionário e antidemocrático da “Justiça”, isto é, preferiu trocar a combativa greve dos professores pela justiça burguesa, disseminando a ilusão de que esta seria melhor “arma” para garantir as reivindicações dos trabalhadores num exemplo escancarado de pura capitulação e peleguismo.
Em síntese, o que havia sido defendido de maneira aberta na penúltima assembleia dos professores na sexta-feira, 29, foi ratificado ontem: o fim da greve após vários recuos e inúmeros rebaixamentos de pauta pelo PSTU/Conlutas, favorecendo descaradamente o prefeito que, logicamente, está sorrindo “a toa” com o fim de uma mobilização que ocupou diversas vezes a principal via do centro da capital, a Avenida FAB, ocupando também a própria prefeitura duas vezes, encurralando o prefeito Clécio no que este respondeu acionando a “Justiça” a qual ironicamente o PSTU/Conlutas recorre agora para “garantir” as reivindicações dos trabalhadores da Educação e “vencer” a intransigência do prefeito “socialista” num dos maiores episódios de capitulação e peleguismo desse partido no Amapá.
O desfecho da greve no Amapá que se soma à ausência de paralisação - até mesmo por 15 minutos - nos metroviários de São Paulo, entre tantos outros episódios envolvendo os “combativos” sindicalistas do PSTU/Conlutas, em um momento de evolução da luta dos trabalhadores contra os planos de “ajustes” dos governos patronais, evidencia o “radicalismo” deste senhores não vai além das aparências. Sua defesa da “greve geral”, estampada em faixas e panfletos nos últimos meses não resiste ao teste de um simples dia nacional de lutas. E seu “antigovernismo” não resiste à prova da menor “pressão” dos governos da direita, como dos tucanos, em São Paulo, ou da “esquerda”, como dos “socialistas” de Macapá.

Fonte:http://www.pco.org.br/movimento-operario/pstu-conlutas-enterra-a-greve-dos-professores-que-prefeito-do-psol-atacou/apbi,p.html

←  Anterior Proxima  → Inicio

FanPage do Pacatuba Em Foco

Mais Acessadas

APEOC

SERIPAN

SOARTE

RADIOSNET

Total de Transeuntes