"Não me sinto pronto para enfrentar o mundo", diz estudante gay agredido ~ Pacatuba Em Foco
Tecnologia do Blogger.

APEOC

Postagens Populares

Sample Text

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation test link ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate another link velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur.

Arquivo do blog

Categories

Definition List

Definition list
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.
Lorem ipsum dolor sit amet
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Pages

Support

Need our help to upload or customize this blogger template? Contact me with details about the theme customization you need.

Ordered List

  1. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  2. Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  3. Vestibulum auctor dapibus neque.

Unordered List

  • Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  • Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  • Vestibulum auctor dapibus neque.

Futebol Ao Vivo

Futebol Ao Vivo

Participe pelo Whatsapp 85 988 621 206

"Não me sinto pronto para enfrentar o mundo", diz estudante gay agredido

Em entrevista ao R7, André Baliera informa que está sofrendo com “pânico interno”

O estudante de direito André Baliera, agredido por dois jovens no início da semana em Pinheiros, afirmou nesta quarta-feira (5) que não está conseguindo sair sozinho de casa. Em entrevista ao R7, ele disse acreditar que o ataque teve motivação homofóbica.

— Eu não me sinto emocionalmente pronto para enfrentar o mundo outra vez. Para mim, isso foi algo que está gerando um pânico interno absurdo. Quem está sofrendo agora sou eu.

Na última segunda-feira (3), André  Baliera foi agredido por dois jovens na rua Henrique Schaumann, no bairro de Pinheiros, zona oeste de São Paulo. Enquanto atravessa a faixa de pedestre com fone de ouvido, ele percebeu que estava sendo ofendido.

— Eu acho que ele (agressor) pensa que um homossexual numa situação dessas tem que baixar a cabeça e continuar o caminho dele. Eu acho que ninguém tem direito de me ofender. Eu virei para trás e a gente começou a trocar ofensas.

O estudante Bruno Portieri e o personal trainer Diego de Souza, suspeitos da agressão, continuam detidos e foram indiciados por tentativa de homicídio. A vítima quer justiça.

— Eu não desejo vingança. Quero que eles paguem pelo que fizeram.

Leia trechos da entrevista com André Baliera:

R7: Você fez algum gesto obsceno para os jovens?

André Baliera: Eu estava andando normalmente e não fiz gesto algum. Eu estava com um fone de ouvido desses grandes. Eu não estava nem prestando atenção no que estava acontecendo.

R7: Foram os dois que te xingaram?

Inicialmente foi só o Bruno.

R7: A defesa reconhece a agressão, mas eles negam a motivação homofóbica. Mas te xingaram?

O momento inteiro. Depois quando eu cheguei na calçada, o semáforo ainda fechado, eu fingi que ia pegar uma pedra porque aquilo me revoltou demais. Isso realmente me ofende muito. Eu acho um absurdo, em 2012, alguém parar para ofender alguém na rua. O Diego colocou o corpo para fora do carro e começou a falar “vai sua bicha, vamos ver se você é macho para tacar a pedra?”. É muita cara de pau deles com toda as testemunhas que estavam lá no momento falar que não teve cunho homofóbico.

"Ninguém tem o direito de me ofender", diz estudante agredido

R7: Em que momento, eles chegaram a bater em você?

Quando o semáforo abriu, eles entraram na frente dos carros para conseguir entrar num posto e desceram do carro para me bater. Se isso não é por motivo de ódio, o que eles tinham na cabeça então?

R7: Quem bateu em você?

Os dois desceram do carro, vindo me ameaçar e para cima de mim e continuaram com as ofensas sempre de cunho homofóbico: que eu não era macho suficiente para tacar pedra mesmo e que agora eu ia apanhar porque era viado (sic). Quem tinha dado a causa a tudo foi o Bruno, mas o Diego, acho que comprou as dores do que aconteceu, e veio babando de ódio. Ele pegou meu fone de ouvido e quebrou e eu peguei o óculos dele e fiz o mesmo. Quando eu pus a mão nos óculos dele, ele começou a me socar. As pessoas próximas ficaram todas gritando desesperadamente.     

R7: O Bruno bateu em você?

Não. Não me bateu. Foi ele que iniciou tudo, mas quem de fato me agrediu foi o Diego.

http://noticias.r7.com/sao-paulo/nao-me-sinto-pronto-para-enfrentar-o-mundo-diz-estudante-gay-agredido-06122012

←  Anterior Proxima  → Inicio

FanPage do Pacatuba Em Foco

Mais Acessadas

APEOC

SERIPAN

SOARTE

RADIOSNET

Total de Transeuntes