Empresas que geram 25% da energia elétrica do país rejeitam a MP579 ~ Pacatuba Em Foco
Tecnologia do Blogger.

APEOC

Postagens Populares

Sample Text

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation test link ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate another link velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur.

Arquivo do blog

Categories

Definition List

Definition list
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.
Lorem ipsum dolor sit amet
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Pages

Support

Need our help to upload or customize this blogger template? Contact me with details about the theme customization you need.

Ordered List

  1. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  2. Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  3. Vestibulum auctor dapibus neque.

Unordered List

  • Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  • Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  • Vestibulum auctor dapibus neque.

Futebol Ao Vivo

Futebol Ao Vivo

Participe pelo Whatsapp 85 988 621 206

Empresas que geram 25% da energia elétrica do país rejeitam a MP579

O prazo para as concessionárias de energia aderirem aos termos da medida provisória (MP) 579 para a renovação dos contratos se encerra nesta terça-feira, e com a recusa de Celesc, Copel e Cesp à adesão integral das novas regras, pelo menos um quarto da potência de geração ficará de fora, o que, segundo analistas, coloca em risco a meta de redução das tarifas em 20,2%, em média, a partir de fevereiro. Só a Cesp tem duas das cinco maiores usinas com contrato por vencer. Com a revisão do cálculo das indenizações, na sexta-feira, que ampliou o valor em R$ 10 bilhões, o governo esperava a adesão integral das empresas.

Dessa queda, 13,2 pontos percentuais referem-se à redução por conta da renovação das concessões de geração e transmissão nos moldes propostos, e o resto, a desonerações. No setor de transmissão, a tendência é de adesão total após o aumento das indenizações.

Com a recusa de parte das empresas, o Tesouro Nacional poderá elevar ainda mais os aportes no setor elétrico, previstos inicialmente em R$ 3,3 bilhões, para fazer frente à quebra das expectativas e para cumprir a promessa da presidente Dilma Rousseff de redução das tarifas. As empresas torcem por mudanças na MP ao longo de sua tramitação por condições mais favoráveis para a renovação de seus contratos.

Cesp rejeita e ação dispara 8,88%

Os acionistas da Eletrobras, que responde por mais de 60% do total da potência a vencer, aprovaram a renovação em Assembleia Geral Extraordinária, com 95,06% de votos a favor e 4,9% contra. As ações PNB (preferenciais, sem direito a voto) da Eletrobras recuaram 0,21%, a R$ 9,63, na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), enquanto Eletrobras ON (ordinária, com voto) caiu 2,61%, a R$ 7,45.

Parte dos acionistas minoritários da Eletrobras ingressou com representação junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) alegando conflito de interesses. O argumento é que a União, controladora da empresa, também é responsável pela indenização. A CVM, porém, entendeu que agora não teria condições de avaliar a questão, disse o diretor financeiro e de relações com Investidores da Eletrobras, Armando Casado, que presidiu a assembleia.

Quanto à possibilidade de os acionistas recorrerem à Justiça, ele explicou que permitiu que todos os votos contrários a decisão fizessem parte do dossiê da AGE, para serem avaliados. A assembleia aprovou as regras para a renovação das concessões do grupo que vencem entre 2015 e 2017, sendo 16 usinas hidrelétricas e 49 mil quilômetros de linhas de transmissão. Com a renovação, a partir de 2013 a remuneração da Eletrobras passará para 70% do valor atual.

Segundo uma fonte que participou da assembleia, um dos questionamentos é que a Eletrobras não encomendou um estudo aprofundado sobre a prorrogação das concessões. Na sede da empresa, do lado de fora da assembleia, representantes dos funcionários fizeram manifestação contra a medida. Eles temem demissões. Apesar de ter admitido a possibilidade de venda de ativos, o diretor financeiro da Eletrobras garantiu que não haverá cortes. Mas disse que existem Planos de Demissão Voluntária (PDV) sendo realizados, por exemplo em Furnas.

Pela manhã, a Eletrobras divulgou comunicado ao mercado, afirmando que o novo decreto que revê as indenizações assegura a possibilidade de a empresa submeter à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), até 31 de dezembro de 2013, informações complementares necessárias para o cálculo das obras de reforço e melhoramentos dos empreendimentos de geração realizados até 31 de dezembro de 2012, o que favorecerá os acionistas.

Energia da Cesp continuará

Responsável por cerca de 8% da capacidade de geração de energia do país, a Cesp rejeitou as condições para a renovação antecipada da concessão de três de suas principais usinas (Ilha Solteira, Três Irmãos e Jupiá), que juntas respondem por mais de 70% de sua produção. Com isso, as ações da Cesp saltaram 8,88%, a R$ 19, maior variação da Bovespa e o maior avanço desde 12 de dezembro de 2008 (9,09%).

- A proposta, analisada do ponto de vista econômico e financeiro, tornava a situação da empresa inadequada por vários motivos - disse o presidente da Cesp, Mauro Arce.

Essa posição, se mantida, significará que a energia da Cesp continuará sendo vendida pelos preços atuais, o que dificultaria o cumprimento da meta de redução nas tarifas. Mas Mario Roque Bonini, técnico em planejamento e gestão da Fundação do Desenvolvimento Administrativo de São Paulo (Fundap), diz que essa redução será diluída entre várias regiões, pois a composição da tarifa para o consumidor conta com diversos fornecedores:

- O impacto da decisão da Cesp tem significância, mas não é o fim do mundo. Tem de ver a carteira de fornecedores de energia de cada distribuidora.

Apesar da recusa, o governo de São Paulo, controlador da Cesp, deixou claro que está disposto a negociar. O secretário de Energia do estado, José Aníbal, irá a Brasília hoje:

- A MP não foi votada ainda, então há tempo para conversar. O propósito de reduzir o preço da energia é bom e convergimos integralmente com o governo, mas dentro do que é razoável.

O presidente da Cesp afirmou que toda a geração dessas usinas ficaria comprometida para o mercado cativo, o que obrigaria a companhia a comprar energia no mercado livre para cumprir o que já foi vendido até 2015. Ele estimou que isso representaria um gasto de R$ 800 milhões por ano.

A Cemig, geradora, transmissora e distribuidora de energia do governo de Minas Gerais, só tomará uma decisão hoje pela manhã, pois ontem o Conselho de Administração não obteve consenso. Cemig PN recuou 0,97%, a R$ 25,42. Já a assembleia da Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista (Cteep) aceitou a proposta. Com isso, suas ações PN caíram 2,72%, a R$ 30,40. Na sexta-feira, a Celesc rejeitou a proposta, mas a Copel aprovou.

Com ganhos fortes de incorporadoras, o Ibovespa, principal índice da Bolsa, avançou 1,27%, aos 58.202 pontos. Petrobras PN subiu 1,82%, a R$ 19,00, enquanto OGX Petróleo ON caiu 5,64%, a R$ 4,35. Em Nova York, o Dow Jones caiu 0,46%, e Nasdaq, 0,27%.

http://br.noticias.yahoo.com/empresas-geram-25-energia-el%C3%A9trica-pa%C3%ADs-rejeitam-mp579-011555281.html

←  Anterior Proxima  → Inicio

FanPage do Pacatuba Em Foco

Mais Acessadas

APEOC

SERIPAN

SOARTE

RADIOSNET

Total de Transeuntes