Correa alerta que há setores interessados em golpe no Equador ~ Pacatuba Em Foco
Tecnologia do Blogger.

APEOC

Postagens Populares

Sample Text

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation test link ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate another link velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur.

Arquivo do blog

Categories

Definition List

Definition list
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.
Lorem ipsum dolor sit amet
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Pages

Support

Need our help to upload or customize this blogger template? Contact me with details about the theme customization you need.

Ordered List

  1. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  2. Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  3. Vestibulum auctor dapibus neque.

Unordered List

  • Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  • Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  • Vestibulum auctor dapibus neque.

Futebol Ao Vivo

Futebol Ao Vivo

Participe pelo Whatsapp 85 988 621 206

Correa alerta que há setores interessados em golpe no Equador

O presidente do Equador, Rafael Correa, afirmou que setores da oposição no seu país “sabem que vão perder nas urnas e por isso tratarão de deslegitimar o resultado eleitoral” na disputa de fevereiro de 2013.
Ele disse à Telesur que há setores no país que “tentam promover um golpe de Estado”. Correa é candidato à reeleição em 2013 – em fevereiro, haverá o primeiro turno, em abril, o segundo. Em fevereiro, também haverá eleições para a escolha dos 137 integrantes da Assembleia Nacional do Equador e cinco do Parlamento Andino.

Segundo o presidente, “já falam de fraude mesmo que haja uma vantagem de entre 30 e 40″ pontos.
“Não pouparão esforços para nos caluniar e desestabilizar, porque sabem que nas urnas não nos ganharão”.

Isto se deve a que “agora as pessoas voltam ao país porque o sonho equatoriano de mais direitos e igualdade de oportunidades é uma realidade. Se não resolvemos todo os problemas, a verdade é que agora temos um país onde o povo equatoriano manda, não alguns poucos banqueiros, nem a burocracia internacional e os países estrangeiros”, ressaltou.

Em 2010, o presidente foi alvo de um protesto de militares e denunciou a manifestação, que gerou uma crise política no país, como uma tentativa de golpe. Na ocasião, ele recebeu o apoio do Mercosul e da União de Nações Sul-Americanas (Unasul).

Ele se referiu a seu principal rival nas próximas eleições, Guillermo Lasso, que foi presidente do Banco de Guayaquil e é classificado pelo presidente como um dos responsáveis ??pela crise de 1999: “Depois que nos quebraram, os bancos tentam voltar ao poder . É realmente uma desfarçatez. “

“Em 99, quebraram os bancos e apreenderam os depósitos para salvá-los naquela que foi a maior apreensão de bens privados da história, uma ação que foi feita por um governo que proclamava aos quatro ventos a propriedade privada, o mercado e os direitos de propriedade”, lembrou ele.

Assim foi que “os cidadãos tiveram que pagar pela irresponsabilidade dos banqueiros quando o Banco Central, sob sua suposta autonomia, lher concedeu crédito, triplicou a emissão de moeda e comprou os títulos da dívida ao Ministério das Finanças,” explicou o presidente equatoriano.

“Assim, ao triplicar a emissão, baixaram o preço das poupanças em dólares e do valor do Sucre, que mais tarde eliminaram, o que significou uma transferência de dois bilhões de dólares a favor de instituições financeiras”, descreveu.

Correa observou que, depois disso, “restou uma enorme dívida, parecida com a que os países europeus têm agora, que foi extinta e apagado”, mediante uma auditoria que determinou que parte dela era legítima e qual não era.

Ele destacou as últimas isenções fiscais para o setor financeiro que eliminou: “Cortamos uma série de privilégios que permitem o acesso a mais de 100 milhões de dólares para pagar o aumento do bônus de desenvolvimento humano, que é uma transferência de renda para os mais pobres”.

Por fim, ele salientou que este é um ato de redistribuição de riqueza imenso, algo muito simbólico, porque é a primeira vez que as perdas não são socializados, mas os lucros, demonstrando que “a sociedade equatoriana é que manda”.

Com Telesur

http://correiodobrasil.com.br/correa-alerta-que-ha-setores-interessados-em-golpe-no-equador/553813/#.ULyreoN9I2s

←  Anterior Proxima  → Inicio

FanPage do Pacatuba Em Foco

Mais Acessadas

APEOC

SERIPAN

SOARTE

RADIOSNET

Total de Transeuntes