Ativista morre sufocado por gás lacrimogêneo em dia de megaprotesto no Cairo ~ Pacatuba Em Foco
Tecnologia do Blogger.

APEOC

Postagens Populares

Sample Text

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation test link ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.

Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate another link velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur.

Arquivo do blog

Categories

Definition List

Definition list
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.
Lorem ipsum dolor sit amet
Consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.

Pages

Support

Need our help to upload or customize this blogger template? Contact me with details about the theme customization you need.

Ordered List

  1. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  2. Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  3. Vestibulum auctor dapibus neque.

Unordered List

  • Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit.
  • Aliquam tincidunt mauris eu risus.
  • Vestibulum auctor dapibus neque.

Futebol Ao Vivo

Futebol Ao Vivo

Participe pelo Whatsapp 85 988 621 206

Ativista morre sufocado por gás lacrimogêneo em dia de megaprotesto no Cairo

O ativista Fatehy Gareeb, da Aliança Popular Socialista, morreu sufocado por gás lacrimogêneo, na praça Simon Bolívar, no Cairo, capital do Egito, segundo o jornal egípcio “Ahram”. O manifestante protestava contra um decreto que concede amplos poderes ao presidente do país, Mohamed Mursi.

Milhares de pessoas estão concentradas na praça Tahrir, também no Cairo, em um megaprotesto contra a controversa medida presidencial.

á pela manhã, a polícia entrou em confronto com jovens manifestantes, perto da praça Tahir, palco dos protestos que levaram à queda do regime do ditador Hosni Mubarak, no ano passado.

"Vamos ficar na Tahrir até Mursi cancelar sua declaração", declarou o manifestante Ahmed Fahmy, 34, à AFP.

As manifestações planejadas ocorrem um dia depois de Mursi ter se reunido com os juízes de mais alto escalão do país em uma tentativa de resolver a crise sobre o decreto, que provocou confrontos mortais e levou jornalistas e juízes a pedirem uma greve.

Estão planejados protestos para a tarde em todo o Cairo até a Tahrir --o epicentro dos protestos que derrubaram Hosni Mubarak no ano passado-- onde o número de manifestantes presentes deve aumentar após o fim do dia de trabalho. Também foram convocadas manifestações em outras cidades do país, incluindo Alexandria, no Mediterrâneo, no Delta do Nilo e no centro do Egito.

Os manifestantes estão raivosos com o decreto anunciado por Mursi na quinta-feira passada (22) que lhe permite "emitir qualquer decisão ou lei que é final e não passível de recurso", o que, efetivamente, o coloca acima de qualquer supervisão judicial. O decreto lançou Mursi em rota de colisão com o Judiciário e consolidou a oposição dividida, que o acusa de assumir poderes ditatoriais.

"A Irmandade Muçulmana roubou a revolução", afirma um cartaz. Outro afirma que o presidente "incentivava as pessoas à desobediência civil".

Após um encontro com juízes, na segunda-feira (26), com o objetivo de resolver a disputa, Mursi manteve seu decreto controverso. "Não há mudança na declaração constitucional", afirmou o porta-voz da presidência, Yasser Ali, à imprensa no fim da reunião. Ele acrescentou, porém, que Mursi buscou esclarecer que qualquer decisão irrevogável será aplicada apenas em assuntos relacionados "aos seus poderes soberanos" e ressaltou a natureza temporária do decreto.

Em um comunicado, o chefe do Partido da Liberdade e da Justiça (FJP) --o braço político da Irmandade Muçulmana-- disse que o encontro entre Mursi e os juízes foi "frutífero". Mas os juízes presentes na reunião afirmaram que a crise não terminou. "O encontro falhou", disse o juiz Abdel Rahman Bahlul, que participou da reunião, ao jornal independente Al-Masry Al-Youm.

"Não podemos dizer que isso seja o fim da crise entre o judiciário e a presidência", afirmou outro juiz que participou da negociação, Ahmed Abdel Rahman, ao jornal.

Uma fonte judiciária disse à AFP que, mesmo se a imunidade fosse limitada aos poderes soberanos, "o que parece ser um compromisso, ainda há preocupações pelo fato de o texto permanecer inalterado".

O decreto de Mursi levou a acusações de que ele está assumindo poderes ditatoriais.

Alguns tribunais suspenderam seus trabalhos, e jornalistas decidiram, a princípio, realizar uma greve.

Na segunda-feira, milhares de pessoas participaram do enterro de um membro do partido presidencial morto em episódios de violência em frente aos escritórios do partido na cidade de Damanhour, no Delta do Nilo, um dia antes.

Protestos inflamados também levaram à destruição de escritórios pertencentes ao Partido da Liberdade e da Justiça (FPJ), pertencente à Irmandade Muçulmana.

E no Cairo milhares marcharam no funeral de Gaber Salah, um membro do movimento 6 de abril que morreu na semana passada pelos ferimentos sofridos em confrontos perto da Praça Tahrir.

 

http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2012/11/27/ativista-morre-sufocado-por-gas-lacrimogeneo-em-dia-de-megaprotesto-no-cairo.htm

←  Anterior Proxima  → Inicio

FanPage do Pacatuba Em Foco

Mais Acessadas

APEOC

SOARTE

RADIOSNET